terça-feira, 17 de maio de 2011

Colesterol: equilíbrio ajuda a reduzir riscos

http://www.jocelemsalgado.com.br/padrao.aspx?lista.aspx?idContentSection=267

Em baixos níveis, o colesterol é importante para se ter um corpo saudável, mas quando se eleva é um dos principais fatores de risco para as doenças cardíacas.
O episódio acontece mais ou menos assim: um adulto sedentário, muitas vezes, fumante, começa a sentir falta de ar e dores no peito. Ao consultar um médico e passar por exames cardiológicos recebe um diagnóstico, que para ele pode se mostrar surpreendente: precisa passar por uma cirurgia para desobstrução de artérias entupidas. Isso acontece, segundo os cardiologistas, por que muitas pessoas não sabem que pertencem ao grupo de risco sujeito aos problemas cardíacos. Fumantes, sedentários, profissionais com rotina estressante, pessoas com taxas de colesterol acima do recomendado ou com casos de doenças cardiovasculares na família são as principais vítimas.
Do colesterol muito se fala, mas ainda pairam dúvidas sobre qual é a real interferência que ele pode provocar na saúde das pessoas. O que a maioria sabe é que colesterol alto não faz bem. E que a dieta rica em gordura, os hábitos de vida pouco saudáveis que costumamos ter hoje em dia e a falta de controle médico ajudam a aumentar esses índices. Com efeito, uma das conseqüências do aumento de colesterol é a doença cardiovascular, uma das principais causas de morte no Brasil.
Entupindo as artérias
O cardiologista Marcos Bubna, do Hospital Cardiológico Costantini, alerta sobre a importância de manter controladas as taxas de colesterol, a fim de se evitar doenças como infartos, derrames e insuficiência de circulação nas pernas. Ele explica que o índice elevado do mau colesterol (LDL) está diretamente ligado à formação de placas de gordura dentro das artérias, que acabam estreitando a passagem do sangue e provocando seu entupimento.
“Para prevenir o aumento desse tipo de colesterol é essencial adotar uma dieta balanceada e praticar exercícios físicos regularmente”, orienta Bubna. Entre os alimentos considerados “vilões” das doenças cardiovasculares estão as frituras, carnes vermelhas, ovos, maionese, salgadinhos industrializados, sorvetes, manteiga e gorduras hidrogenadas em geral. Segundo o especialista, hábitos saudáveis e uma alimentação controlada evitam o aumento do mau colesterol na corrente sangüínea e aceleram a produção do bom colesterol (HDL), que faz com que a gordura seja eliminada pelo fígado, protegendo o coração.
Uma pesquisa da Sociedade Brasileira de Cardiologia revela que cerca de 78% dos entrevistados sabem o que significa o colesterol, mas 60% nunca realizaram exames para identificar seus níveis. Das pessoas que sabem que têm colesterol elevado, quase 90% não fazem qualquer tipo de tratamento e a grande maioria é sedentária. Os dados da pesquisa indicam que há muito a ser feito em termos de conscientização sobre a importância da prevenção das doenças cardiovasculares e do entendimento do papel do LDL como agente isolado no risco.
Monitorar e controlar
O colesterol é um tipo de gordura crucial para muitos processos metabólicos do organismo, tais como a produção de hormônios e de vitamina D. Também é importante para a integridade estrutural das células. Jocelem Salgado, professora titular de nutrição da Universidade de São Paulo, comenta que 30% do colesterol é fornecido pelos alimentos que ingerimos - os outros 70% são fabricados pelo nosso próprio organismo. "O problema está em monitorar e controlar esses 30% que ingerimos”, alerta. O nível de colesterol pode ser alterado de acordo com a dieta que adotamos. Por exemplo, as gorduras de origem animal, como a manteiga, as banhas e as gorduras presentes nas carnes, facilitam o aumento do colesterol no sangue.
O presidente da Sociedade Paranaense de Cardiologia, Paulo Roberto Rossi, explica que o colesterol é produzido no fígado e transportado pelo sangue em lipoproteínas. O colesterol com alta densidade de lipoproteínas (HDL), que permanece no sangue até ser eliminado, é conhecido como o bom colesterol. O colesterol com baixa densidade (LDL) é conhecido como o mau colesterol. “É ele o responsável pela formação de depósitos de gordura nos revestimentos das artérias”, frisa o médico.
Com o passar do tempo esse estreitamento reduz o fluxo de circulação para o coração e pode levar ao ataque cardíaco ou ao derrame. “Principalmente, quando o colesterol elevado vier acompanhado de outros fatores de risco, como hipertensão arterial, diabetes, obesidade, estresse, sedentarismo e tabagismo”, observao presidente. Para os especialistas, no entanto, esse colesterol pode ser reduzido por meio de ações simples, como uma dieta prudente, exercício regular e o uso de alguns medicamentos.



Para reduzir o colesterol

* Fazer exame de sangue para medir a taxa de colesterol.
* Controlar a ingestão calórica, limitar o consumo de alimentos com gorduras saturadas.
* Consumir porções diárias de frutas e verduras.
* Consumir cereais ou outros derivados de grãos integrais.
* Dar preferência em consumir peixe, carnes magras e frango sem pele.
* Preferir leite desnatado.
* Praticar exercícios físicos sob orientação diariamente.
* Manter peso saudável.
* Abolir o cigarro.
* Consumir álcool com moderação.
* Consultar um médico para receber tratamento/orientações adequadas para controlar e manter níveis adequados de colesterol.

Fonte: Associação Americana do Coração. (Paraná Online - Mais Saúde)



Nenhum comentário: