terça-feira, 31 de maio de 2011

Rótulo: aprenda a analisar

http://www.jocelemsalgado.com.br/padrao.aspx?lista.aspx?idContentSection=267

* por Dra. Jocelem Salgado

O consumidor deve ficar atento para algumas informações que as vezes passam despercebidas, mas que são muito importantes. A seguir listaremos uma série de informações que tem como objetivo trazer ao consumidor conhecimento básico sobre rotulagem de alimentos e bebidas.
Data de Validade: deve estar legível e deve constar pelo menos o mês e o ano para aqueles produtos que tenham duração mínima superior a três meses. É importante lembrar que nos rótulos de alimentos que exijam condições especiais para sua conservação devem ser indicadas as temperaturas máxima e mínima para a conservação do alimento.
Dica: Fique atento(a) com produtos em promoção de preço. Sempre verifique a validade antes de comprar!
Lista de Ingredientes: todos os ingredientes devem constar em ordem decrescente, da respectiva proporção. Observando a lista de ingredientes contida no rótulo dá para saber qual deles predomina no alimento, já que o primeiro da lista é o que está em maior quantidade.
Dica: Evite comprar alimentos que o principal ingrediente é a sacarose (açúcar), gorduras vegetais, etc. Infelizmente esses ingredientes são muito frequentes nos alimentos infantis.
Outro ponto importante é saber observar na lista de ingredientes a presença de aditivos químicos, nem sempre saudáveis. Esses aditivos alimentares são declarados depois dos ingredientes e cada um apresenta uma função específica no alimento ou bebida. Veja alguns dos possíveis aditivos que podem estar presentes na composição do produto : agentes de massa, espumante e antiespumante, umectante e antiumectante, antioxidante, corante, conservante, edulcorante, espessante, geleificante, estabilizante, aromatizante, regulador de acidez, acidulante, emulsionante/emulsificante, melhorador de farinha, realçador de sabor, fermento químico, glaceante, agente de firmeza, sequestrante e estabilizate de cor.
Alguns fabricantes de alimentos e bebidas abusam de tal forma dos aditivos que acabam conseguindo transformar seus produtos em puras misturas químicas. Muitas vezes eles utilizam nos rótulos termos tais como "aroma natural", "possui 2% de polpa de fruta natural", entre outros, confundindo o consumidor que acaba acreditando que o produto é natural, quando na realidade não passa de uma mistura artificial, rica em aditivos químicos. É o caso, por exemplo, de certas misturas para sucos e chás que utilizam aromatizantes e corantes artificiais, acidulantes, entre outros em sua composição. Essas substâncias em excesso podem causar sérios prejuízos à saúde, além de simples reações alérgicas. Por isso, todo cuidado é pouco. Procure dar preferência a alimentos mais naturais, sem a presença desses aditivos.
Composição Nutricional: até a publicação da nova resolução em 22/03/01, praticamente não existia nenhuma norma que controlasse as informações nutricionais contidas na rotulagem de alimentos e bebidas. Por isso, é muito comum ainda observarmos rótulos em que a composição de nutrientes simplesmente não aparece, e, quando existe, muitas apresentam dados insuficientes, dispostos de maneira confusa a ponto de criar dúvidas até mesmo entre as pessoas mais entendidas no assunto. Senão, vejamos alguns exemplos comuns: Alguns alimentos informam o teor de nutrientes por 100 gramas, colocando, por exemplo, 0,00800% para o ferro e 0,00135% para a vitamina A. Quem saberia responder rapidamente se esse produto em questão é uma fonte razoável ou não desses dois nutrientes? Sendo assim, qual seria o objetivo do fabricante de inserir no rótulo tal informação, já que o consumidor não consegue calcular ou entender o que querem dizer tais valores?! Não seria mais fácil para nós que esses números viessem expressos com base numa porção individual, mostrando o quanto de ferro ou vitamina A presente nesta porção contribui para minhas necessidades diárias? Do meu ponto de vista, o fabricante as vezes age dessa forma com a intenção de fazer o público acreditar que o seu produto é super nutritivo, dificultando qualquer tentativa de compreensão por parte do consumidor. A nova resolução vai impedir atitudes como essa.
Outro exemplo de confusão são certos termos empregados nas tabelas de informações nutricionais. Você sabia que glicídios são carboidratos (açúcar e amido), lipídios é o mesmo que gordura e protídios é sinônimo de proteínas? E se você se deparar com a expressão "gordura saturada", você saberia interpretá-la?? Pois saiba que a gordura saturada é aquela que está associada a níveis elevados de colesterol no sangue e a riscos maiores de doenças do coração, derrame cerebral e problemas circulatórios. Portanto, se um alimento apresentar teores elevados desse tipo de gordura, fuja dele!
Fique esperto e exija seus direitos
A partir do dia 22/09/01 todos os rótulos já deverão estar dentro dos parâmetros exigidos pela nova resolução. Portanto, você consumidor deverá ficar atento e exigir que isso realmente seja cumprido. Se tiver dúvidas procure pelos movimentos de defesa do consumidor ou procure obter informações com a comunidade científica de alimentação e nutrição. Não se deixe enganar por afirmações feitas em rótulos que iludem e confundem você. Veja o caso de muitos óleos e produtos vegetais que as vezes recebem a classificação de "sem colesterol", um procedimento que jamais deveria ser permitido, porque o colesterol é encontrado somente em produtos animais e não está presente em produtos vegetais. O mesmo vale para afirmações feitas quanto à saúde. Todas elas devem ser baseadas em evidências aceitas por especialistas qualificados. Assim, antes que um fabricante possa afirmar que um produto diminui o risco de doença do coração, por exemplo, este benefício deve ser comprovado por estudos científicos.
Para finalizar, gostaria de deixar um telefone e o endereço de um site para aqueles que queiram se aprofundar mais no assunto. O 0800-611997 pertence ao Disk Saúde, do Ministério da Saúde, que tem a função de esclarecer dúvidas de todas as pessoas interessadas em qualidade de vida. O www.anvisa.gov.br é o site da Vigilância Sanitária onde a resolução 40 poderá ser observada com detalhes. Para você localizar a nova resolução, visite o campo alimentos.

* Dra. Jocelem Salgado: Professora Titular de Nutrição do Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição da ESALQ/USP/Piracicaba

Nenhum comentário: