segunda-feira, 20 de junho de 2011

Estudo diz que falta de ferro compromete a inteligência

http://www.saudeemmovimento.com.br/reportagem/noticia_frame.asp?cod_noticia=133

As jovens que têm uma dieta pobre em ferro, além de sérias candidatas a uma anemia, podem ter a sua capacidade de aprendizado prejudicada. O dado veio à tona com a divulgação dos resultados de um estudo feito no Kings College, em Londres, com 152 garotas de 11 a 18 anos.
Elas foram submetidas a exames de sangue e a testes que avaliaram o seu rendimento mental. As que tinham deficiências de ferro a ponto de quase serem consideradas anêmicas apresentaram um QI (quociente de inteligência) significativamente mais baixo.
A relação entre o ferro e a capacidade mental é fácil de ser entendida. O mineral é um dos componentes da hemoglobina, proteína presente nos glóbulos vermelhos cuja função é entregar oxigênio para todo o organismo e levar embora gás carbônico (produto tóxico).
Quando os estoques de ferro ficam reduzidos, os níveis da proteína caem drasticamente e, como conseqüência, surge a anemia. O problema é provocado pela má oxigenação do organismo e se caracteriza por palidez, apatia e falta de apetite.

Baixo nível de concentração
Com pouca oxigenação, outras funções do corpo também sofrem danos, inclusive a cerebral. "Devido aos baixos níveis de oxigênio - importante no processo de concentração - o aluno não consegue assimilar as informações", diz a biomédica e doutora em nutrição Suzana de Souza Queiroz, da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. "Essa pode ser uma das causas de repetência na escola". E também uma explicação para o desempenho ruim das inglesas nos testes de QI.
Nos primeiros anos de vida, as repercussões da carência de ferro são mais graves. Estudos mostram que a anemia em crianças, muitas vezes, causa um déficit intelectual irreversível. É que até cerca de 2 anos o cérebro está em pleno desenvolvimento e precisa, portanto, de maior quantidade de oxigênio possível. "Mas isso é controverso.
Há pesquisas que rebatem esses trabalhos", diz a pediatra Josefina Braga, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Os adolescentes à beira de uma anemia têm melhor sorte. Quando tratados adequadamente, recuperam a concentração. "Se a causa do problema está na dieta, por exemplo, procura-se corrigi-la", diz Josefina.
Feijão com laranja

Para ver os fantasmas da deficiência de ferro e da anemia longe, os especialistas recomendam a ingestão de carnes (vermelhas ou brancas), de beterraba e de feijão, algumas boas fontes do mineral. A dose diária de ferro recomendada para os adolescentes é de doze miligramas. As garotas precisam de uma quantidade reforçada - de quinze miligramas - por causa da perda de sangue menstrual.
Uma dica para melhorar a absorção do ferro é incluir nas refeições sucos cítricos como os de laranja, de acerola e de limão. Esses sucos contêm vitamina C, que torna o mineral mais facilmente assimilável pelo corpo

Fonte: CNN

Nenhum comentário: