sábado, 2 de julho de 2011

Homeopatia é bem vista pelos médicos alopatas

http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=42027

Profissionais ouvidos em pesquisa da USP elogiam humanização

Adriana Dias Lopes escreve para “O Estado de SP”:

A homeopatia é muito bem aceita pelos médicos do Sistema Único de Saúde (SUS).
A constatação é resultado da tese de doutorado da médica especialista em homeopatia Sandra Chaim Salles, recém-defendida na Faculdade de Medicina de São Paulo.
O resultado surpreende porque tradicionalmente o tratamento sempre foi visto por muitos alopatas com descrédito.
Durante um ano e meio, Sandra entrevistou 48 profissionais de saúde alopatas - mas que tinham algum contato com colegas homeopatas - de 11 faculdades de Medicina, entre elas a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e a Santa Casa de São Paulo.
Para eles, um dos pontos mais atraentes é 'a humanização da Medicina resgatada pela homeopatia'. As consultas na homeopatia são verdadeiras investigações.
Elas duram em média uma hora, enquanto que a tradicional tem cerca de 20 minutos no SUS. Para o tratamento da sinusite, por exemplo, o paciente tem de não só falar da intensidade da dor, mas como anda a vida no trabalho, em casa e em que período do dia a dor aparece com mais freqüência.
Outro fator de aprovação é a própria satisfação dos pacientes. 'Simplesmente não há queixas com os homeopatas', revela Amélia Matzuo, homeopata da unidade Bosque da Saúde do SUS.
Um dos principais aspectos de resistência dos alopatas sempre foi a dificuldade de comprovar a eficácia da homeopatia com estudos clínicos.
'É, de fato, difícil conduzir pesquisas clínicas na homeopatia', conta Sandra. 'A homeopatia usa medicamentos diferentes para pacientes que apresentam os mesmos sintomas clínicos’.
Outro obstáculo é a apresentação do remédio, em soluções. Há a alegação de que a quantidade de moléculas não é suficiente para comprovar a eficácia química. 'Está comprovado que elas agem no organismo, sim. Mas, como agem, ainda não', analisa Sandra.
A homeopatia foi batizada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como técnica complementar, assim como florais e acupuntura.
A normatização do Ministério da Saúde ocorreu só em maio, com a publicação da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS - a portaria do governo federal incluiu outros tratamentos como uso de plantas medicinais e até termalismo (uso de águas minerais).
Mas bem antes da normatização, a rede pública estadual já oferecia o tratamento. Em 1983, o serviço chegou à rede pública do Estado, no Hospital do Servidor Público Municipal.
Hoje, das 404 Unidades Básicas de Saúde, 39 oferecem o serviço - em média são 2.200 atendimentos por mês.
De acordo com a Associação Médica Homeopática Brasileira, há cerca de 15 mil homeopatas no País. Cerca de 77 trabalham na rede municipal. Em todo SUS, são 457 homeopatas.
A homeopatia é reconhecida como especialidade médica no Brasil desde 1980.
No entanto, apenas alguns cursos de Medicina incluem a homeopatia no currículo.

(O Estado de SP, 31/10)

Um comentário:

Lia Lima disse...

Ainda bem que está melhorando a visão dos alopatas e acabando o preconceito.
Gostaria de ver notas também sobre cálcio e cloreto de magnésio.