sábado, 6 de outubro de 2012

Um copo de polêmica

Regina Célia Pereira
O leite ocupa o centro de uma acalorada discussão nutricional. De um lado, especialistas afirmam que ele é a melhor fonte de cálcio, mas há quem defenda sua abolição do cardápio
Uma nata de desconfiança anda encobrindo os laticínios. Isso porque existe uma corrente de especialistas que acusa o leite e seus derivados de serem quase vilões da nutrição. “Esses alimentos possuem alguns fatores que prejudicam o aproveitamento do cálcio”, diz a nutricionista funcional Christiane Vitola de Carvalho Santos, de Curitiba. Christiane explica que os lácteos interferem com o PH do estômago e do intestino e isso dificulta a absorção de alguns nutrientes, inclusive o cálcio. Para ela, os grandes aliados da saúde óssea são os vegetais. Brócolis e espinafre estão entre os itens mais ricos no ingrediente indispensável ao esqueleto.
Essa tese, entretanto, não é compartilhada pelo Conselho Regional de Nutricionistas – 3ª Região (CRN-3), tanto que o grupo redigiu um documento ressaltando os prejuízos trazidos pela supressão do leite na dieta. “Os laticínios são os melhores fornecedores de cálcio, já que contêm maior quantidade do elemento por porção”, conta a nutricionista Sílvia Cozzolino, professora da Universidade de São Paulo, que assina a carta do CRN-3. Silvia afirma que além de as hortaliças não oferecerem tanto da substância, elas concentram compostos conhecidos como fitatos e oxalatos, capazes de interferir com sua disponibilidade do mineral.
Afora essa discussão, vale ressaltar que existem pessoas que sentem mal-estar após a ingestão de produtos lácteos. Há quem precise evitar esses itens por causa de intolerância ao açúcar que eles contêm, ou seja, a lactose. A professora Silvia afirma que é fundamental passar por exames minuciosos para comprovar a existência desse distúrbio e que, ainda assim, não é necessário banir todos esses itens do cotidiano. Isso porque os queijos e os iogurtes não costumam trazer grandes doses de lactose e, assim, não provocam sintomas.
Agora, se o problema é a alergia à proteína do leite, aí nenhum derivado deve ser consumido. Isso porque o sistema imunológico dos alérgicos não reconhece a partícula, que é grandalhona, e passa a atacá-la gerando reações que vão desde dermatites até dificuldades respiratórias. O melhor, nesse caso, é buscar a ajuda de um profissional para suprir deficiências.
Quem não se estranha com o leite e gosta de hortaliças não precisa ficar na dúvida: é só consumir os dois.

Yin - Yang: Compreendendo o sentido vibratório da polaridade - Parte 1

Milene Siqueira *
"No verdadeiro âmago de uma flor, de uma semente ou de uma folha, há um ponto do qual a energia emana e do qual o crescimento procede. Desse ponto, a semente brota, a flor desabrocha. Se examinar cuidadosamente a flor em botão, a folha ao despontar, a semente, o fruto, ou a planta, e dissecá-los até chegar ao seu núcleo, encontrará... nada.
Na verdade, há apenas uma coisa, uma energia, uma consciência, mas no momento de manifestar a si mesma torna-se yin e yang. Quando buscamos saúde e harmonia, tentamos achar esse ponto de equilíbrioentre yin e yang" - Robert Tisserand.
Yin e Yang, são palavras do taoismo chines que designam a dualidade energética.
Yin é atribuído ao feminino receptivo e Yang ao masculino projetivo, não quanto a fisiologia dos sexos, mas primordialmente como quantitativos energéticos complementares, pois tanto o homem quanto a mulher o possuem.
São dualidade mas sem polaridades demarcadas porque Yin contém Yang, Yang contém Yin, sempre.
Equalizar essas energias dentro e fora de nós, seria o ideal de harmonia: ora ceder, ora impor limites; ora iniciar, ora concluir; ora despertar, ora descansar... na constante contração (receber) e expansão (entregar). Se isto não acontece, o fluxo fica acelerado (yang) ou contido (yin).
Para exemplificar, imagine os ritmos e sistemas binários em nosso organismo como: respiração, pulsação, hemisférios cerebrais, glóbulos brancos e vermelhos, a imagem do DNA, etc.
Mas o descompasso é uma realidade, e é retratado até mesmo em épocas, e que moldam nossas condutas sociais.
Se yang é o impulso de energia, yin é a consolidação; se yang é dilatação, yin é a contração; se yang é pergunta, yin é a resposta. E então fica claro que para toda ação (yang) existe uma reação (yin), e compreende-se o axioma de que é dando (yang), que se recebe (yin).
Porém, antes de yang ser manifestação, yin é o não-manifesto. Portanto a inspiração, a intuição e a espiritualidade podem ser consideradas yin em relação a yang. Yin (terra) molda yang, e estará contida em yang (costela). Nossas inspirações (yin) precisam ser encarnadas (yang), e assim yin (res)surge, complementa. A percepção (yin) caminha um passo antes da mente (yang), que as ordena.
No simbolismo do Gênesis, antes que existisse a pergunta, yin já era a resposta!
Alguns atributos do Yin - Yang:
YANG vibra masculino; provedor; foco/individual; competitivo; prático; extrovertido; vontade; força; mental; solar; construtivo; rápido; aterrador (conectado); quente.
YIN vibra feminino; receptivo; sistêmico/global; cooperativo; detalhista; introspectivo; sabedoria; resistência; intuitivo; lunar; instrutivo; paciência; oceânico (abrangente); frio.
O yang do homem e da mulher deve ser empreendedor, ativo e focado, mas sem perder o seu yin, que é sua sabedoria, globalidade e sensibilidade.
Esta interação é fator importante e se dá por relatividade, por isso, o movimento deve ser dinâmico, como uma dança, que oscila do ponto da nossa personalidade para com o ambiente, pessoas e situações. Se esse ritmo é harmônico, o ponto de equilíbrio se mantém. Se isso não ocorre, uma energia pode ocupar um espaço que não lhe é natural, havendo predomínio de uma sobre a outra (excesso), onde a vibração de yang será excessivamente acelerada ou de yin excessivamente contida, gerando deficiências e sobrecargas e não manifestando a potencialidade de cada uma, pois uma só se equilibra em função da outra, são antagônicas porém interdependentes.
Yin está associado a contenção, abrangência e subjetividade. Yang à aceleração, restrição e objetividade.
No homem ou na mulher, alguns sintomas de excesso de Yin são:
Acolhedor em excesso; dificuldade tomar iniciativa e decidir; ideias confusas; dificuldade em separar eventos (emocional); dificuldades financeiras quando dependa de empreender; pode ser lento, melancólico e disperso; alienação; ambiente desorganizado, acumula muitas coisas; no corpo, facilidade em reter água e pele flácida; movimentos contidos; voz baixa, opina pouco; dependência ; depressão; adiamento; pessimismo; timidez; sonolência; alta sensibilidade; vida social ou familiar árida; pouca energia; doenças crônicas (implosão).
Alguns sintomas do excesso de Yang são:
Pode ser raivoso, explosivo e agressor; aceleração mental ; dificuldade em ver o todo (racional); desconexão interna; corpo tenso, não relaxa, falta movimento harmonioso; otimismo eufórico, quer convencer; dita condutas; rigidez moral, e portanto são muito seletivos (tendência a racismo, especismo, etc); metódico; dorme pouco; voz alta e/ou fala ininterrupta, lança palavras sem ouvir o outro; movimentos extravagantes; exaltação; impaciência; vida social ou familiar cheia; ansiedade; muita energia; doenças agudas (explosão).
Em alguns excessos há um equilíbrio natural, se, por exemplo, há muita atividade (yang) é normal que se precise dormir muito (yin), se uma pessoa está com predomínio de yang e não pratica atividades físicas tende a ter insônia, ou seja, precisa gastar yang (energia) para dormir bem ou usar elementos calmantes para compensar.
E toda vez que uma vibração chega ao seu limite, ela se transforma no seu oposto-complementar. Todos já ouvimos falar que depois da tempestade, vem a bonança! Ou de uma pessoa extremamente dócil (+yin) que estourou em yang. E é tudo equilíbrio! Que claro, pode ser compreendido a tempo de que o excesso não ocorra. Normalmente não paramos para analisar o porque de uma atitude e, se há uma deficiência, isso já faz parte da dificuldade pessoal - e quando o complementar aparece, é a natureza que de certa forma está se encarregando de nos ajudar a integrar/acolher, fazendo com que tenhamos mais compreensão e menos dificuldades!
Da boa permanência das uniões afetivas, também depende o bom equilíbrio yin/yang: o casamento entre um homem e uma mulher depende de um outro casamento mais interior e definitivo: o casamento das forças yin e yang que também agem no interior de cada um dos sexos - Ely Britto.
Uma das principais formas de aprender mais sobre nós e complementar nossa vibração é através dos relacionamentos. Mas com as mudanças sociais, a permanência das relações ficou instável, pois não prevalece tanto a dependência financeira ou a aparência social, que mantinha uniões no passado. Revela-se agora que a duração dependa de afinidades sentimentais e mentais com o parceiro, para que haja paralelamente o casamento mais importante que é o de cada um com sua própria divindade. O parceiro reflete seu interior no outro (complementando ao outro e a si mesmo). E o que irá manter uma parceria é que após a atração, sejam cultivados o diálogo, compreensão, contato físico e a disponibilidade complementar, ou seja, que se deem condições mútuas para que haja a integração.
Um dos hexagramas mais favoráveis do I Ching é o 11, quando o trigrama de Kun (terra/yin) está em cima e Chien (céu/yang) embaixo, o hexagrama da Paz, do encontro, dos movimentos que se complementam, é quando tudo prospera porque o céu está na terra!
A Integração dos 'diferentes'... do nosso feminino e masculino, do potencial de nosso pai e mãe e de nossos ancestrais em nós, do inconsciente com o consciente, da vontade com a realização, do sagrado com o profano, da ciência com a filosofia, do som com o silêncio, da amada com seu amante... e tantos outros... será sempre a união alquímica, a pura potencialidade.
Continua: Parte 2 - Yin:Yang e a influência do patriarcado
Referências:
- A Arte da Aromaterapia, Robert Tisserand
- O Ponto de Mutação, Fritjof Capra
- I Ching - Um Novo Ponto de Vista, Ely Britto
- O Tarô Zen, de Osho - (Integração)
* Milene Siqueira - aromaterapeuta inata, fala deste assunto com a naturalidade de um sábio. Criou a Arom'Arte, uma empresa que respira e transpira a aromaterapia, mas com o plus da beleza e o delicado de cada etiqueta, bula ou embalagem. É para a Arom'Arte que passo todos os internautas interessados nos produtos da Aromaterapia.