sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Uma rede de energia

http://www.brasilmedicina.com.br/
A base da teoria da Acupuntura remonta aos meridianos , uma rede de "canais " invis íveis pelos quais circula a "energia" da qual se constituem todos os seres vivos . Esses canais estariam distribuídos pela superfície do corpo, percorrendo-o, também, internamente. Eles se constituem em 12 pares principais e oito extras , além de ramificações que formam uma complexa rede de circulação.Cada meridiano principal é ligado a determinado órgão que dá nome a ele. Exemplo: o meridiano do Coração é ligado ao coração, determinando as suas funções . Em maior ou menor número, de acordo com o comprimento, os meridianos possuem pontos nos quais se dá a sua maior concentração de energia. Quando há desequilíbrio físico ou mental, esses pontos tornam-se sens íveis e até mesmo doloridos . Através do conhecimento do médico serão aplicadas agulhas para estimulação dos pontos , restaurando-se o equilíbrio e restabelecendo-se a saúde do paciente.
É importante lembrar quer os conceitos Yin-Yang, meridianos , pontos e sua relação com os órgãos são filos óficos e milenares , nem sempre correspondendo, portanto, à terminologia médica atual, o que pode causar confus ão até mesmo para os profissionais Assim, historicamente, as relações entre as causas das doenças , seus mecanismos , diagnóstico e terapia foram evoluindo com base nesses conceitos filos óficos que devem ser respeitados pelos profissionais de Acupuntura. E, se o médico acupunturista afirma que o paciente está com um desequilíbrio de fígado, rins ou outro, trata-se de um diagnóstico do ponto de vista filos ófico da Medicina Chinesa, o que não quer dizer que haja, na realidade, uma doença de fígado ou dos rins como a considera a Medicina Ocidental.
Cabe ressaltar que apesar de manter alguns princípios básicos , as teorias que dão embasamento à acupuntura vem sendo constantemente revisadas , aperfeiçoadas e atualizadas à base de conhecimentos científicos contemporâneos .Assim nas últimas décadas alguns autores (Chan, 84; Cizzek e Szopinski, 85; Cai, 92;) demonstraram que as regiões da pele utilizadas como "pontos de acupuntura" apresentavam uma alta concentração de terminações nervosas sensitivas .
Nesses pontos a resistência elétrica é menor do que nas outras regiões do corpo.
(Hyvarinen e Karlson, 1977)
Constitui fato relevante para a acupuntura a demonstração do seu efeito analgésico por bloqueio da chegada ao cérebro de informações originadas em algioceptores periféricos , tal como foi demonstrado por Lico e col. (1974) em um trabalho realizado em animais anestesiados e em animais não anestesiados (despertos ).
Os autores estimulavam eletricamente a polpa dentária do cachorro (que contem aparentemente s ó algioceptores ) e registrava potenciais evocados no giro sigmóide ( área somestésica contralateral ) e a seguir aplicava acupuntura em alguns pontos do pescoço, verificando que a voltagem dos potenciais evocados se reduzia progressivamente até sua total supress ão.
A acupuntura pode ser realizada simplesmente pela introdução de finas agulhas nos pontos eficazes ou pela aplicação de estímulos elétricos pulsantes , por intermédio das agulhas , com uma freqüência que varia de 2 a 100 hz.
Em animais de experimentação é poss ível aplicar tais estímulos , e seguir os potenciais aferentes até as regiões centrais atingidas pelos estímulos , são as próprias vias somestésicas e os núcleos cuja estimulação elétrica ou química bloqueia a transmiss ão de impulsos nas vias de sensibilidade dolorosa, que já descrevemos . Essas vias ascendem pelos tratos espinotalâmicos , vão ao núcleo reticular gigantocelular da formação reticular, núcleo magno de rafe e extrato cinzento central periaquedutal, essas vias constituem o que se denomina (não muito apropriadamente) "via aferente da acupuntura". Sua estimulação promove analgesia, assim como os efeitos comportamentais da estimulação dolorosa.
Há aproximadamente 20 anos , descobriu-se que, com a aplicação de Acupuntura, havia aumento de algumas substâncias no cérebro; essas substâncias teriam efeito analgésico muito potente, chegando a superar centenas de vezes o efeito da morfina extraída das plantas . Produzidas naturalmente no cérebro, essas substâncias chamam-se endorfinas , possuindo algumas semelhanças bioquímicas com a morfina.
Hoje sabemos que a endorfina é, na realidade, um conjunto de substâncias intercelulares , sendo um fator fundamental para garantir o bom funcionamento do organismo, nos casos de estresse, ou em situações anormais que causam o desequilíbrio físico - ps íquico. A administração de naloxone e soro antibeta-endorfina e a hipofisectomia suprimem o efeito analgésico da estimulação (Bausbaum e Fields 1978; Han e col. 1984) A les ão eletrolítica das mencionadas regiões da via aferente da acupuntura também suprime o efeito analgésico desse procedimento.As vias centrais implicadas na analgesia intermediada por opiáceos ainda não são completamente conhecidas , mas parecem ser, pelo menos parcialmente as mesmas da acupuntura.(Le Bars e col.,1983 ; Watkins e col.1984 e Takeshinge e col. 1993) . As vias reconhecidamente envolvidas na analgesia endorfinérgica constituem-se de algumas alças excitadoras e inibidoras que resultam afinal, em bloqueio de vários estágios da transmiss ão da informação álgica.

Estudo mostra como a privação do sono afeta a imunidade

Por Karina Toledo
Experimentos feitos no Instituto do Sono detalham alterações na produção de células de defesa e prejuízos na resposta a um desafio imunológico.
A importância do sono para o bom funcionamento do sistema imunológico é conhecida, mas pouco se sabe sobre os mecanismos envolvidos. Uma pesquisa apoiada pela FAPESP e conduzida nos últimos anos tem mostrado como diferentes tipos de privação de sono interferem nas defesas do organismo. Na primeira fase da pesquisa, para mimetizar situações comuns na sociedade os pesquisadores submeteram voluntários tanto à privação total por 48 horas – similar à que ocorre com pessoas que trabalham em sistema de plantão noturno – como à privação seletiva de sono REM (movimento rápido de olhos, na sigla em inglês), fase do sono em que prevalecem os sonhos, por quatro noites seguidas. “Nas últimas décadas, houve diminuição progressiva e importante na média da duração do sono, principalmente na segunda metade da noite, quando prevalece o sono REM”, disse Francieli Ruiz da Silva, autora principal do estudo, feito durante o doutorado na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) com Bolsa da FAPESP.
O estudo, orientado pelo professor Sergio Tufik, foi realizado no Instituto do Sono, um Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPID) apoiado pela FAPESP. Os resultados do experimento foram publicados em artigo na revista Innate Immunity e apresentados na 23ª Reunião Anual da Associated Professional Sleep Societies, realizada nos Estados Unidos em 2009. O trabalho também foi premiado pela European Federation of Immunological Societies durante o 2º European Congress of Immunology, realizado na Alemanha no mesmo ano.
Em uma segunda fase da pesquisa, realizada com animais, os pesquisadores do Instituto do Sono investigaram os efeitos da privação de sono no desenvolvimento de resposta específica a um desafio imunológico. Os resultados dos experimentos com camundongos foram apresentados na 27ª Reunião Anual da Federação de Sociedades de Biologia experimental (FeSBE), realizada em agosto de 2012.
“O objetivo na primeira fase foi avaliar a alteração no perfil imunológico dos voluntários causada pela falta de sono. Para isso, realizamos leucograma – exame que mede a quantidade de leucócitos no sangue – antes e depois do experimento”, disse Ruiz.
Ao longo de uma semana, 30 voluntários saudáveis, entre 18 e 30 anos, permaneceram no laboratório distribuídos em três grupos. Aqueles do grupo controle dormiram normalmente e tiveram seu padrão de sono monitorado por meio do exame de polissonografia.
Os integrantes do grupo submetido à privação seletiva também tiveram o sono monitorado e foram acordados por uma campainha toda vez que o exame indicava a aproximação da fase REM.
“A primeira noite foi tranquila, mas à medida que a demanda do organismo por sono REM foi se acumulando, foi ficando difícil. Esse estágio aparecia cada vez mais cedo, efeito conhecido como rebote de sono REM. Na quarta noite, eles mal cochilavam e já entravam na fase REM”, contou Ruiz.
Já o grupo da privação total manteve-se alerta por 48 horas com a ajuda de videogames, jogos de cartas, internet e eventuais chacoalhadas. Nas três noites seguintes, dormiram normalmente e foram monitorados pela polissonografia para registrar o efeito rebote de sono.
Enquanto o grupo controle não apresentou alteração no perfil imunológico, como esperado, os voluntários do grupo submetido à privação total tiveram uma elevação no número de leucócitos, especificamente de neutrófilos, o primeiro tipo celular que responde à maioria das infecções. Também houve aumento de linfócitos T CD4, responsáveis pela imunidade adaptativa, específica para cada doença.
 “Considerando que os leucócitos desempenham a função de defesa ao primeiro sinal de invasão por patógenos, observamos que a privação total de sono desencadeou um sinal de alerta no organismo. Ele entendeu como uma agressão e respondeu a um fantasma”, disse Ruiz.
Essa alteração foi revertida após as primeiras 24 horas de recuperação do sono. “Mas, para nossa surpresa, o número de linfócitos não voltou ao normal após as três noites de recuperação”, contou.
No grupo privado de sono REM, foi observada uma diminuição da imunoglobulina A (IgA) circulante no sangue durante todo o período do experimento. Esse efeito permaneceu após as três noites de recuperação do sono.
“Essa imunoglobulina, presente na secreção de mucosas, está diretamente relacionada à proteção contra a invasão por patógenos. Isso poderia explicar por que a privação de sono REM poderia estar relacionada a uma maior suscetibilidade a doenças como gripes e resfriados já descrita na literatura”, disse.
 Desafio imunológico
Na segunda fase da pesquisa, os pesquisadores investigaram, em ratos, os efeitos da privação de sono no desenvolvimento de resposta específica a um desafio imunológico. “Precisávamos de um estímulo que desencadeasse uma resposta vigorosa e optamos por um modelo de transplante de pele entre duas linhagens diferentes e geneticamente incompatíveis de camundongos”, disse Ruiz.
Nesse modelo, de acordo com Ruiz, a rejeição do tecido enxertado pelo organismo do receptor é certa. Mas, enquanto os animais do grupo controle levaram entre 8 e 10 dias para expelir o tecido estranho, aqueles submetidos à privação de sono, seja ela total ou apenas da fase REM, levaram entre 15 e 18 dias.
“Isso representa um aumento de 80% no tempo de sobrevida do tecido, o que equivale ao efeito de drogas imunossupressoras como a ciclosporina”, disse Ruiz.
Para entender o que estava causando o prejuízo na resposta imunológica, os pesquisadores analisaram os órgãos linfoides dos animais e verificaram uma redução de 76,4% no número de linfócito T CD4 no grupo submetido à privação de sono REM. No grupo que sofreu privação total, a queda foi de 34% em relação ao grupo controle.
“Os linfócitos T são essenciais para que o processo de rejeição aconteça. Eles são ativados pelas células apresentadoras de antígenos (APCs) e, então, migram dos órgãos linfoides para a região afetada, onde desencadeiam o processo inflamatório que culmina com a rejeição”, explicou Ruiz.
As análises mostraram que nos dois grupos houve redução de aproximadamente 40% no número de linfócitos T no infiltrado inflamatório do enxerto de pele, ou seja, havia menos células de defesa na região.
Isso pode ser explicado por uma menor expressão da molécula MHC 2, essencial para a comunicação entre as APCs e os linfócitos. Além disso, houve redução de 40% na quantidade de receptores para a interleucina 2 (IL-2) na circulação sanguínea.
 “Quando o linfócito migra para a área afetada, precisa se proliferar para atacar o tecido. Para isso libera a IL-2, principal mediador para essa proliferação. Portanto, uma menor quantidade desses receptores no sangue indica menor proliferação de linfócitos e prejuízo ao processo de rejeição”, disse Ruiz.
 Para ter certeza de que o possível estresse causado pela privação de sono não estava por trás da imunossupressão, os pesquisadores avaliaram os níveis de corticosterona no sangue dos animais.
 “Esse hormônio, nos camundongos, é o equivalente ao cortisol em humanos. Como os níveis não estavam mais elevados nos roedores privados de sono do que no grupo controle, acreditamos que o estresse não tenha interferido nos resultados”, afirmou.
O próximo passo da pesquisa é investigar por que a privação de sono diminui a expressão de MHC 2 e a proliferação dos linfócitos. Além disso, Ruiz pretende investigar, durante o pós-doutorado, também com Bolsa da FAPESP, o efeito da privação de sono na imunidade de pessoas que trabalham em turno e trocam o dia pela noite.
 “A literatura indica que o sono durante o dia não é tão reparador como o noturno. Nossa intenção é vacinar esses voluntários e ver como a inversão dos períodos de descanso interfere na imunização”, disse.