terça-feira, 30 de outubro de 2012

O Milagroso Óleo de Abacate

www.laszlo.com.br
Por Fabian Laszlo
 O abacateiro é uma árvore originária da Guatemala, Antilhas e México, o que pode ser notado no próprio nome da fruta, pois abacate vem da palavra asteca awakatl, que significa ‘‘testículo’’ em virtude de seus frutos penderem dos galhos lembrando o órgão genital masculino e, por isso, algumas pessoas o consideram afrodisíaco.
De certa forma, a semelhança do abacate com os testículos é uma ‘‘assinatura’’ da planta bem peculiar, pois seu fruto é riquíssimo em fito esteróis com estudado poder terapêutico de cura e prevenção da hiperplasia de próstata. Devido a isso, o México, país onde se come muito guacamole (prato típico com abacate), o índice de homens com problemas de próstata são os menores do mundo.
Mas, mais poderoso ainda que o fruto é o óleo obtido de sua polpa. Extraído por centrifugação, de cor verde esmeralda intenso, sabor forte e cheiro exótico característico, o óleo de abacate extra virgem é um produto magnífico para a saúde e nutrição. Não deve ser confundido jamais com o óleo obtido do caroço do abacate, que não possui os fitoesteróis e ativos da polpa. Igualmente, muito óleo de abacate ‘transparente’ vendido no mercado é montado a partir do óleo de soja, de acordo com o resultado de exames cromatográficos que já realizamos para avaliação.              
O óleo de abacate possui em sua composição várias substâncias medicinais. Entre as mais ativas temos lecitinas, fito esteróis (beta- sitosterol especialmente), ômega 9 (ácido oléico), vitamina A, D e um alto teor de vitamina E, às vezes quase o dobro do óleo de semente de uvas.
Pesquisas do UCLA, Centro de nutrição humana da Califórnia, indicaram que os abacates possuem o teor mais alto de vitamina E quando comparados ao kiwi, nectarinas, uvas e pêssegos. A vitamina E é conhecida por ser um poderoso antioxidante que age inibindo a formação de radicais livres, ajudando assim a diminuir os sinais do envelhecimento.
Em cosméticos, o óleo de abacate é usado puro ou diluído (1 tampinha com 6ml em cada 100g de creme)  visando estimular a síntese de colágeno na pele, o que retarda a formação de rugas e estrias, contribuindo desta forma para o tônus e vitalidade da pele. Pode ser combinado com o óleo de hortelã pimenta (M. piperita) de 1 a 2 % (25 a 45 gotas em 100ml do óleo ou do creme contendo ele) para ajudar também no clareamento, já que o óleo de hortelã promove a redistribuição da melanina na pele reduzindo as manchas. E também com o óleo de mirra (C. mirrha/mukul) na mesma dose, óleo já comprovado por aumentar a síntese de triglicérides sob a pele, o que promove um efeito ‘botox’ natural, removendo as rugas por efeito de preenchimento interno progressivo das mesmas pela síntese natural de gordura debaixo da pele. 
Entre 8 óleos testados (gergelim, amêndoas, jojoba, côco, oliva etc), o abacate foi o que apresentou maior efeito de absorção dos raios ultra-violeta (UV) do sol, agindo assim como filtro solar para cosméticos. Devido a todas estas propriedades, o óleo de abacate é muito usado no tratamento de vários problemas de pele como dermatites, inflamações, queimaduras, psoríase, acne e no pós-cirúrgico para acelerar a cicatrização, prevenindo a formação de marcas e quelóides, principalmente se combinado com os óleos de cipreste (C. sempervirens) e palmarosa (C. martinii). Ele também pode ser associado para os quelóides com o óleo de rosa mosqueta ou a linhaça para maior eficácia.
Ainda sobre sua ação na pele, um estudo publicado no Jornal Wound Care em 2008 por Nayak e seus colegas, confirmou que o óleo de abacate tanto via externa, quanto ingerida, possui propriedades eficientes na cicatrização de feridas e escaras.
A maioria das propriedades do óleo de abacate se devem à presença em alta concentração de beta -sitosterol, um fito esterol de estrutura química muito similar à do colesterol e encontrado no arroz, na soja, no germe de trigo e no milho. Sua concentração é 25.5 vezes mais alta no abacate quando comparado com a da laranja. Este fito esterol confere ao óleo de abacate propriedades bactericidas, antivirais, fungicidas e anti- inflamatórias.
 O beta- sitosterol sozinho ou em combinação com outros esteróis de plantas têm demonstrado em estudos clínicos um efeito de reduzir os níveis de colesterol no sangue. Ele age neste sentido de três formas. Primeiramente quando usado junto com a comida (1 colher de café do óleo de abacate) ele se associa às gorduras e age bloqueando a absorção do colesterol pelo corpo (somente 5-10% de b-sitosterol agregado é absorvido). Este efeito pode ajudar também em regimes de perda de peso e especialmente na prevenção de doenças cardiovasculares. Segundo, ele age diretamente no fígado equilibrando os níveis do colesterol no sangue, o LDL (mau colesterol) diminui, enquanto o HDL (bom colesterol) sobe. E, terceiro, quando conjugado a lecitinas presentes no óleo de abacate, ele agrega-se à gordura ruim no sangue facilitando sua eliminação do corpo pelas vias urinárias,  acabando por desobstruir os vasos. É um excelente óleo para emprego culinário para prevenção de doenças circulatórias e pode ser combinado com o azeite de oliva. Ainda podemos incluir o óleo essencial de limão siciliano (C. limonum), que em azeites traz um ótimo sabor cítrico. Seriam 5 a 10 gotas para cada 100 ml (50 ml de azeite de oliva extra virgem + 50ml de óleo de abacate extra virgem).
Um estudo feito por pesquisadores do Instituto Mexicano de Seguro Social, publicado em arquivos médicos no inverno de 1996, mostravam que quem come abacate todos os dias por uma semana, têm uma queda de 17% do colesterol total do sangue.
Beta-sitosterol é o princípio ativo milagroso existente no óleo de semente de abóbora, Saw palmeto, Pygeum africanum e outros remédios naturais para a próstata. Vários jornais científicos internacionais têm publicado estudos científicos que provam que o b-sitosterol é o mais efetivo remédio conhecido para os problemas de próstata. Ele age reduzindo a dilatação da próstata (hiperplasia prostática), prevenindo e ajudando no seu tratamento. Faz isso através de uma ação específica sobre o fígado, inibindo uma enzima, a 5-alpha-reductase que age reduzindo a testosterona a dihidrotestosterona (DHT). Esta queda da testosterona e sua conversão a DHT ocasiona uma série de problemas. A ligação do DHT a receptores androgênicos na próstata tende a ocasionar sua dilatação, problemas vasculares e possibilidade de impotência. Sua ligação a receptores hormonais nos folículos pilosos, levam ao surgimento de calvície (queda de cabelo ) com a idade.
Na mulher, o b-sitosterol também age positivamente  causando um efeito anti-estrogênico, diminuindo a ligação do DHT a receptores de estrógenos. Isso previne os efeitos indesejados dos níveis altos de estrógenos no corpo como a retenção de líquidos e aumento do peso, especialmente nas fases da TPM, e o desenvolvimento de ginecomastia em homens.
Notou-se que na imunidade, o b-sitosterol age aumentando a proliferação de linfócitos no corpo e a atividade das células NK (“natural killers”) que agem matando microorganismos invasores. Na parte de câncer, ele age suprimindo a carcinogênese e no HIV fortalecendo o sistema imunológico.
Frações insaponificáveis do óleo de abacate apresentaram, num estudo dinamarquês de 2005, eficientes propriedades antiinflamatórias e de estimulação da síntese de proteoglicanos nas cartilagens, tendo efeito nos sintomas da osteoartrite de joelho e quadril. A baixa produção de proteoglicanos causa redução no volume do tecido cartilaginoso, por ser incapaz de atrair água suficiente, o que gera desgaste das cartilagens por desidratação.
O abacate também possui um carotenóide chamado luteína que ajuda a proteger o organismo contra o câncer de próstata e doenças dos olhos como catarata e degeneração da mácula. Vale citar também que uma substância chamada d-perseitol presente no abacate age como diurético.
O b-sitosterol também tem demonstrado efeito normalizador do açúcar no sangue e nos níveis de insulina no diabetes tipo I e II. Ele reduz os níveis de glicose por uma ação inibitória e reguladora da enzima glucose-6-phosphatase, que age elevando os níveis de açúcar no sangue.
Em 2000, pesquisadores japoneses relataram que o abacate possui também ação hepatoprotetora ao inibir os danos ocasionados por uma toxina hepática, a galactosamina.
Resumo de indicações:
Problemas de próstata (hiperplasia)
Impotência e frigidez
Queda de cabelo de fundo hormonal (DHT)
Distúrbios hormonais femininos (TPM, menopausa)
Degeneração da mácula e catarata
Diabetes tipo I e II
Câncer e doenças imunológicas
Filtro UV (protetor solar)
Útil em dermatites e psoríases
Reduz o colesterol alto
Cicatrizante em escaras e regenerador da pele
Antioxidante e estimulante do colágeno
Antiinflamatório, fungicida e bactericida
A Laszlo possui óleo de abacate verdadeiramente extra-virgem rico em fito esteróis.

Alimentos com maior teor de sódio são divulgados pela Anvisa

Com informações da Anvisa
Sal nos alimentos industrializados
O problema é que população brasileira consome duas vezes mais sal do que o recomendado.
E grande parte desse sal vem por meio dos alimentos industrializados.
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) fez um levantamento que mostra os "campeões" em alto teor de sódio.
Campeonato do sal
Ao todo, foram analisados 496 produtos de 26 categorias de alimentos.
Mesmo o queijo ricota, muito consumido em dietas, apresentou altas variações de sódio entre as marcas avaliadas.
Mas o campeão foi o queijo parmesão ralado, que lidera o ranking com um teor médio de 1.981 miligramas de sódio por 100 gramas do produto.
Nas colocações seguintes, aparecem o macarrão instantâneo e a mortadela. O biscoito de polvilho tem quantidade média de 1.092 miligramas do ingrediente para cada 100 gramas - veja a lista dos campeões do sódio abaixo.
Alimento Média Maior valor Menor valor Diferença
Queijo parmesão ralado 1.981 2.976 1.100 2,7
Macarrão instantâneo 1.798 2.160 1.435 1,5
Queijo parmesão 1.402 3.052 223 13,7
Mortadela 1.303 1.480 1.063 1,4
Mortadela de frango 1.232 1.520 943 1,6
Maionese 1.096 1.504 683 2,2
Biscoito de polvilho 1.092 1.398 427 3,3
Salgadinho de milho 779 1395 395 3,5
Biscoito água e sal 741 1.272 572 2,2
Biscoito cream cracker 735 1.130 437 2,6
Hamburguer bovino 701 1.120 134 8,4
Batata frita ondulada 624 832 447 1,9
Pão de queijo congelado 582 782 367 2,1
Queijo muçarela 577 1.068 309 3,5
Queijo prato 571 986 326 3
Pão de queijo 558 830 105 7,9
Queijo minas padrão 546 673 290 2,3
Queijo minas frescal 505 1.819 126 14,4
Batata palha 472 719 250 2,9
Biscoito de amido de milho 369 477 240 2
Biscoito recheado 288 650 130 5
Ricota fresca 191 432 41 10,5
Farinha láctea 106 170 20 8,5
Bebida láctea 93 115 73 1,6
Queijo petit suisse 45 62 38 1,6
Refrigerante de guaraná baixa caloria 12 17 7 2,4
Fonte: ANVISA

Consumo brasileiro de sal
O brasileiro consome, em média, 11,75 gramas de sal (cloreto de sódio) e 4,7 gramas de sódio, quando o recomendado é 5 gramas e 2 gramas, respectivamente.
O sódio representa aproximadamente 40% da composição do sal.
"A Anvisa vai dizer que tudo que está além é muito e a indústria, que tudo que está abaixo do limite, é pouco. No meio, estão os consumidores, quem nos interessa", disse o diretor-presidente da Anvisa, Dirceu Barbano.
O governo e representantes da indústria e dos supermercados firmaram acordo, iniciado em 2011, pela diminuição progressiva do sódio nos alimentos.
A partir de 2013, produtos com menos sódio já deverão estar disponíveis no mercado.