terça-feira, 6 de novembro de 2012

Musicoterapia ameniza sintomas do estresse

NYDIA MONTEIRO
Para ter uma vida mais calma, use os sons a seu favor
 Atualmente, a maioria das pessoas quer sempre se manter atualizada, informada e competitiva, na corrida para ter o que julga mais importante, como itens atuais de consumo; contas pagas; capacidade de dar conta das exigências do trabalho (se o tem) ou correr atrás de um emprego para manter tudo que a sociedade e vida atual exigem. Se a descrição resumida já estressa, imagine o exaustivo dia-a-dia, ufa!
Os nossos antepassados tinham que sobreviver tentando não ser atacados por animais ferozes, conseguir o que comer ou até mesmo disputar territórios. Estes mesmos mecanismos de defesa, de fuga e de sobrevivência - orgânicos e fisiológicos - são acionados em nossos organismos e causam o estresse.
 O problema é que em nosso século nós acionamos estes mecanismos muito mais vezes, provocando liberação de substâncias responsáveis pelo estresse, como cortisol e epinefrina. O equilíbrio desses hormônios no organismo mantém as pessoas saudáveis, mas quando estão em desequilíbrio podem desencadear doenças em todos os níveis, como distúrbios psicológicos; diabete; sobrecarga no sistema cardiovascular, respiratório e digestivo; gastrites e úlceras. O estresse ainda influi sobre o sistema imunológico, tornando-o mais vulnerável a doenças infectocontagiosas, auto-impunes e outros.
Alguns sinais de alerta podem sinalizar que seu corpo está sofrendo as conseqüências negativas do estresse, como:
Tremores
Sensação de fraqueza
Tonturas, tensão ou dor muscular nas costas, pescoço e coluna
Fadiga crônica
Falta de ar
Palpitações, aumento da freqüência cardíaca e elevação da pressão arterial
Mãos frias e boca seca
Irritação, impaciência e ansiedade
Depressão
Dificuldades de concentração e memória
Indecisão
 Insônia
Perda de horário e compromissos
 Se você se identificou com alguns desses sintomas, é importante ir ao médico para descartar outros diagnósticos.
 Mas isso também pode significar que você está causando estresses excessivos a si mesmo. É impressionante como a maioria das pessoas faz tudo fora de hora e das regras - o que só serve para piorar e gerar mais estresse na própria pessoa e muitas vezes nas que a rodeiam. Quando alguém está estressado e atende o celular enquanto está dirigindo, na tentativa de resolver um problema do outro lado da linha, pode até causar um acidente por conta de seu comportamento, que sinaliza falta de atenção e de responsabilidade.
MUSICOTERAPIA NO COMBATE AO ESTRESSE
Neste contexto, a Musicoterapia - que surge como uma terapia científica - pode ser eficaz contra o estresse, porque os dois - tanto a música quanto o estresse - são percebidos pelas mesmas estruturas cerebrais. Logo, as reações fisiológicas do estresse podem ser interrompidas com a aplicação da Musicoterapia exercidas por um profissional musicoterapeuta qualificado.
 Essa terapia tem sido realizada como um trabalho preventivo em ambientes de trabalho, ajudando a melhorar as relações e a diminuir ou eliminar as doenças causadas pelo estresse e outros. Musicoterapia em grupo tem efeitos muito prazerosos e é um investimento de baixo custo, que ainda contribui para melhorar a qualidade de vida das pessoas. Nesses casos, o profissional musicoterapeuta é o mais indicado para realizar este trabalho.
 Confira abaixo alguns conselhos preventivos da Musicoterapia, para deixar dias mais calmos:
 Tente sempre controlar sua respiração, principalmente nos momentos tensos. Para isso, aumente o tempo de expiração e solte o ar pela boca lentamente.
 Desligue o celular em alguns momentos para se concentrar no que deve. Só depois retorne as ligações ou então avise por mensagens, a partir de que horas estará disponível.
Coloque toques de celular mais lento, menos acelerado e com menos volume.
Tente falar mais baixo e de maneira mais lenta quando você notar que está "querendo" se estressar. Isso pode ajudar você a se acalmar.
Se o ambiente do trabalho é coletivo e barulhento, experimente usar fones de ouvidos. Opte por ouvir a música instrumental de sua preferência, em volume baixo, especialmente nos momentos em que estiver mais estressado. Vale lembrar que o gosto pela música é pessoal. É papel do musicoterapeuta  avaliar individualmente a identidade sonora de cada um, antes de iniciar o tratamento.
Quando puder, procure entrar em contato com os sons da natureza, como o barulho das ondas do mar e do vento, o canto dos pássaros ao natural, etc. Busque frequentar lugares onde não escute sons de motores e buzinas. Se isso não for possível, apenas fique em silêncio e ouça o universo tocando a mais linda música da qual você faz parte e tinha esquecido o arranjo: a da sua essência.
Dê essa chance a si mesmo. E sem estresse, seja feliz !
NYDIA MONTEIRO Educadora Musical e musicoterapeuta.Pós-graduada em musicoterapia, atende em Teresina e é pioneira nesta especialidade no Piauí.

Água do mar ativa e reforça sistema imunológico

Terapia com água do mar
A terapia com água do mar, ou terapia marinha, é uma técnica de nutrição celular sustentada por mais de 100 anos de uso clínico em hospitais.
Passar uma temporada na praia para melhorar a saúde pode parecer um conselho antiquado em tempos de remédios para tudo.
O poder de marketing das empresas farmacêuticas tem reduzido diversas práticas médicas de eficácia comprovada a serem taxadas de "alternativas", em um sentido pejorativo, como se elas fossem menos eficazes do que as práticas "oficiais".
O fato é que a terapia com água do mar, ou terapia marinha, é uma técnica de nutrição celular sustentada por mais de 100 anos de uso clínico em hospitais.
E, durante mais de um século, numerosos estudos têm documentado cientificamente seus efeitos benéficos sobre a saúde dos pacientes.
Benefícios da água do mar
Talvez agora a terapia marinha saia um pouco do ostracismo, já que vários laboratórios estão cedendo às evidências e começando a vender água do mar engarrafada, depois de devidamente purificada.
E, mesmo a conta-gotas, a água do mar tem um forte efeito de ativação do sistema imunológico.
Foi o demonstrou uma análise detalhada realizada por pesquisadores da Universidade de Alicante, na Espanha, liderados pelo Dr. José Miguel Sempere. A equipe analisou os efeitos da água do mar purificada atualmente vendida por um laboratório espanhol (Laboratorios Quinton).
O estudo mostrou que a água do mar fortalece o corpo contra os vírus, bactérias e outros micróbios patogênicos sazonais, além de reforçar um sistema imunológico que esteja enfraquecido.
Minerais na água do mar
A água do mar contém vários minerais com efeitos antioxidantes conhecidos, além de imunomoduladores como o selênio, silício e zinco.
O cloreto e o sódio - que dão o salgado à água do mar - são essenciais para o funcionamento normal de todas as células do corpo, incluindo as células envolvidas na resposta imunológica.
Mesmo na água do mar "engarrafada", os pesquisadores verificaram a presença de uma grande biodisponibilidade destes elementos - eles identificaram um total de 78 elementos.
A utilização da microfiltração a frio como um método de esterilização da água do mar traz como principal vantagem uma proteção das suas propriedades naturais, uma vez que a técnica reduz o aparecimento de radicais livres quando são usadas outras técnicas de esterilização.
Ciência da terapia marinha
O estudo confirmou que os leucócitos cultivados in vitro com uma solução isotônica mantêm sua viabilidade e morfologia durante a cultura sem estímulos adicionais, produzindo a ativação celular.
Isso leva a uma resposta imunológica, revelando um claro aumento na produção intracitoplasmática de algumas das principais citocinas relacionadas com a ativação da imunidade celular.
Outra descoberta desta pesquisa é o efeito protetor/conservador sobre os glóbulos vermelhos do sangue em toda a cultura de células, evidenciado pela virtual ausência de liberação de hemoglobina para o meio durante as 120-144 horas de cultura.
"Os resultados do presente estudo foram obtidos através de um ensaio de proliferação celular in vitro , que é um dos testes mais utilizados para analisar o efeito de diferentes drogas sobre o sistema imunológico," explicou o Dr. Sempere.