domingo, 18 de novembro de 2012

O Terapeuta, a Cura e a Saúde

Até hoje, entende-se por saúde: melhores condições de vida (trabalho e moradia) e hospitais para "tratar" as pessoas quando adoecem.
Pretendemos dar aqui um passo a frente e acima, no sentido de compreender saúde como equilíbrio entre os estados mentais, físicos e espirituais do ser humano com meio ambiente, visando prevenir a doença (desequilíbrio), gerando harmonia e bem estar para todos.
Neste sentido as terapias naturais, técnicas milenares utilizadas pelas medicinas Holísticas Tradicionais (Medicina Chinesa, Grega, Alquimia, Ayurvédica, entre outras) tem muito a contribuir neste tempo de busca de soluções simples e de baixo custo.
É importante compreendermos que a palavra Terapeuta vem do grego Therapeuin que significa "servidor", "cuidador". Daí Therapeutos (terapeuta) e aquele que e suscetível de ser cultivado, ou seja, aquele que cura a si mesmo. A missão tradicional do terapeuta e propiciar ao ser humano "doente" sua capacidade de criadora, devolvendo-lhe fluidez, transparência, flexibilidade, tal como teve nos primeiros dias de vida. Com isto torna o doente fértil e cultivável, trazendo a consciência da cura.
Tarefa básica para os terapeutas e cuidar conjuntamente com natureza. Cuidar e estimular o que não e doente entre nós, do ser, da energia e o sopro que nos inspira. Pois terapeuta e aquele que ora pelos que sofrem. O terapeuta não cura, ele "cuida" e é Deus O vivente que trata e que cura.
O terapeuta só propicia as melhores condições possíveis, através de suas técnicas naturais, para a energia de cura atuar no "doente", gerando equilíbrio saúde integral.
Não basta cuidar do corpo de alguém, mas sim prestar atenção àquilo que da vida. O terapeuta cuida exatamente neste sopro que anima e lhe da vida.
Curar em ser humano e permitir que respire conscientemente, observando todas as tensões, bloqueios e obstruções que impedem a livre circulação das energias, ou seja, a plena vivencia da alma de ser um corpo. Curar e solarizar.
Curar e o caminho da responsabilidade sobre si mesmo, compreendendo seus limites e possibilidades como ser humano. A terapia então e cuidar do corpo, do ser e do mundo. Pois a "doença" e o "sofrimento" podem ser também um momento de tomada de consciência e sabedoria.
As terapias naturais, por utilizarem instrumentos fornecidos pela natureza e por milênios de sabedoria humana, tem uma perspectiva transdisciplinar holística, ou seja, todas as técnicas e conhecimento são complementares entre si, pois o objetivo e a saúde integral, física, mental e espiritual do ser humano e do planeta.
Qualidade de vida como consequência de uma atitude mais harmoniosa e precisa do ser humano e da utilização de técnicas milenares e tradicionais das terapias naturais, que se caracterizam pela simplicidade, pelo baixo custo e pela auto responsabilidade do homem para com seu processo de cura e consciência de interação complementar com a natureza.
Qualidade de vida no sentido de utilizar a mais alta tecnologia a favor do homem e não visando somente o lucro. A cooperação entre as terapias naturais e as técnicas terapêuticas Médicas Instituídas e um passo muito importante e possível neste tempo em que novas soluções devem ser encontradas pela humanidade consciente.
Para os terapeutas "os doentes" não são "pacientes", devem ser respeitados como seres humanos habitados pelo espírito Divino.
A cura para os terapeutas naturistas passa também pelo coração, portanto há amor. No entanto os terapeutas naturistas não se preocupam em serem modelos, aceitam o mundo tal como e, buscando cooperar, maximizando sua ação pela consciência e otimizando a qualidade de vida do ser humano na busca de felicidade, da verdade, da alegria e do viver

PMJP cuida da saúde com práticas alternativas e prevenção

O conjunto de terapias que convergem na visão completa do homem, considerando a saúde no âmbito mental, espiritual e físico é a proposta do Centro de Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (Cpics), da Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP). O cuidado com a saúde do indivíduo, bem como a prevenção de doenças, tem atraído milhares de pessoas aos dois centros da Secretaria de Saúde (SMS): um no Valentina Figueiredo e outro nos Bancários – a unidade Equilíbrio do Ser, recentemente inaugurada.Os dois equipamentos desenvolvem mais de 20 práticas de terapias coletivas, com o resgate da autoestima por meio de atividades de interação interpessoal, como danças circulares, tai chi chuan e yoga, e também terapias individuais, como acupuntura, massoterapia, reiki e homeopatia.
De acordo com Francisco Douglas, coordenador do Cpics de Valentina, apenas o uso de medicamentos não é suficiente para que a pessoa chegue à cura necessária. “Muitas doenças são reflexos de situações diversificadas. Se a pessoa adoece, é porque não está em harmonia consigo mesma. Por isso, é preciso que o indivíduo trabalhe a cura por meio de mudanças em sua vida e na forma de pensar”, disse.
Segundo Douglas, em longo prazo, as terapias podem reduzir a quantidade de usuários do sistema tradicional de saúde, ao promover a saúde e buscar a prevenção contra doenças. “Se as pessoas estiverem maissaudáveis, utilizarão menos o sistema público de saúde”, destacou.
Para a coordenadora do Setor de Práticas Integrativas e Complementares da SMS, Vanessa Vieira, o objetivo desse trabalho é fazer com que o indivíduo tire o foco da doença e o traga para si mesmo. “A medicina convencional trata a doença de forma paliativa. Já as práticas alternativas tratam o indivíduo por inteiro, com equilíbrio do corpo e da mente”, disse.
Valentina – O Centro de Práticas Integrativas do Valentina foi inaugurado em 14 de maio deste ano e já realizou mais de 1,2 mil atendimentos individuais e mais de 100 sessões de terapia coletiva. Cerca de 650 pessoas já passaram pela escuta, que é o atendimento inicial para indicação do tratamento adequado para o paciente.
Entre as terapias coletivas, as mais buscadas são o tai chi chuan e a biodança. Também são realizadas dança circular, terapia comunitária, yoga, resgate da autoestima e cura em expressão. Com relação às práticas individuais, a acupuntura é a mais requisitada, com mais de 500 atendimentos. Terapia quântica e massoterapia já tiveram mais de 250 e 240 procedimentos, respectivamente. Também são feitos floral, reiki e homeopatia.
Bancários – De acordo com a diretora geral do Centro de Práticas Integrativas e Complementares Equilíbrio do Ser, Andréa Carrer, foram atendidas mais de 1,6 mil pessoas no primeiro mês de funcionamento do equipamento, inaugurado no último dia 31 de agosto. “Apenas no primeiro dia, foram atendidas 350 pessoas, entre práticas individuais e coletivas, o que demonstra o interesse e a necessidade das pessoas por esses tratamentos”, avaliou.
Devido à grande procura, novos usuários só são aceitos ao término do tratamento de quem já está sendo atendido. Entretanto, alguns procedimentos emergenciais são realizados para quem chega com dores corporais, por exemplo. “Nós fazemos uma massagem para aliviar as dores. Em seguida, o indivíduo aguarda atendimento para uma prática coletiva e uma individual”.
As práticas mais procuradas são acupuntura, massoterapia e ayurvédica, entre as individuais. Já nas coletivas a preferência é por tai chi chuan, yoga e biodança. “Em pouco tempo já vemos os efeitos sobre a vida das pessoas. Já tivemos pacientes aqui que chegaram sem andar e que após sessões de acupuntura se recuperaram completamente, enquanto outros tratam a depressão e estão tendo um bom desempenho”, ressalta Andréa Carrer.
De acordo com Andréa, alguns dos destaques do centro são a harmonização, a prática de relaxamento e a meditação, que ocorrem três vezes ao dia: às 8h, às 13 e às 18h. “Há pessoas que praticam todos os dias, como uma rotina que antecede o início de seu dia, mesmo quando não vão fazer outra atividade no centro”, contou.
Tratar a depressão – Além de problemas físicos, como dores crônicas, os Cpics tratam pacientes com depressão. “Este tratamento não pode ser feito só com medicamentos, mas com uma mudança de visão do paciente”, diz Francisco Douglas. A harmonia consigo mesmo, segundo ele, é obtida por meio de práticas coletivas, como biodança, danças circulares, tai chi chuan e terapias em grupo. “Trabalhamos bloqueios e traumas que impedem o fluxo correto da vida do indivíduo”, disse.
Uma das terapias mais procuradas é a de resgate da autoestima, ministrada por Silvia Rodrigues. Em grupo, as pessoas trabalham a autoconfiança em atividades dinâmicas, com dança e música, mas também por meio do diálogo, da abertura da intimidade.
Maria José começou a frequentar o Cpics há um mês, devido à insônia e à depressão, além de sentir dores reumáticas na perna. “Me sinto muito bem aqui. Consigo me unir ao grupo e não fico mais triste quando estou partilhando meu tempo com as pessoas”, disse. Maria José também pratica yoga e danças.
Já Diva Ribeiro procurou o centro em junho para tratar a ansiedade e a insegurança desencadeadas pela hepatite C. “Tive muitos efeitos colaterais com o tratamento dessa doença e não quero passar por isso de novo. No centro, encontrei o apoio do grupo e estou mais confiante e com mais fé”, disse a usuária.
Apesar de não ter nenhum tipo de problema, Glória Souza disse ter ganhado muita experiência de vida com as sessões de terapia coletiva. “Eu vim a convite de uma amiga e estou envolvida com outras atividades também”, falou. Ela é uma das que engrossa o coro dito por todos nas sessões: “nós te apoiamos”.
Para Mary Sanday, a participação no grupo promoveu mudanças no comportamento de todos em sua casa. “Eu percebi que não estávamos bem integrados na minha família. Era eu quem decidia muitas coisas na minha casa, mas agora todos têm mais autonomia. Hoje, meu esposo e meus filhos já participam de atividades e estamos bem mais felizes”, contou.
Sem medicamentos – Grávida de seis meses, a orientadora educacional Cátia Cristina procurou a massoterapia como tratamento para um problema na coluna. “Como estou grávida, não posso tomar medicamentos. Então a médica da Unidade de Saúde da Família me encaminhou ao Centro para fazer este tratamento. Com o decorrer da gravidez, o peso da barriga aumenta e pode afetar o meu problema, mas a massoterapia está tratando isto”, disse ela, confiante.
O massoterapeuta Ermeson Moreira explicou que o procedimento traz benefícios para a saúde física e evita problemas vasculares, além de contribuir para a redução da ansiedade. “Tratamos dores musculares, mas, ao mesmo tempo, com os toques terapêuticos, trabalhamos o aspecto emocional do indivíduo, que se sente cuidado e protegido”, disse ele.
Moreira explicou que, antes de iniciar o tratamento, o paciente aponta em um desenho do corpo humano quais são as partes em que sente dores, e fala sobre suas emoções, convívio social, alimentação e sono.
Na unidade Equilíbrio do Ser, o tratamento em quiropraxia é bastante solicitado. Segundo a quiropraxista Giovana Oliveira, antes de iniciar seu trabalho, o paciente fala sobre o problema que o levou ali. “Com isso, também verificamos se o tratamento é o mais indicado para ele”, disse. Segundo Giovana, a prática consiste em trabalhar as articulações e os músculos do corpo por meio das mãos do profissional, para retirar as tensões.
Sofrendo com problema de escoliose, Catarina Andriola foi encaminhada para a quiropraxia. “Eu passo muito tempo sentada, costurando, já que trabalho com moda. Isso prejudicou minha postura. Agora que o tratamento começou, já me policio mais para não ficar sentada de maneira incorreta”, contou.
Ansiedade – Outra atividade muito procurada pelos usuários é a acupuntura. De acordo com a acupunturista e nutricionista Milane Sales, a maioria das pessoas se dirige ao Equilíbrio do Ser por iniciativa própria. “Fazemos uma avaliação e planejamos o atendimento e a quantidade de sessões, de acordo com as necessidades de cada um”, disse. No centro, há sete acupunturistas.
Anastácia Melo procurou o Centro logo depois de sua inauguração, para tratar dores na coluna e ansiedade. “Busco os benefícios da medicina alternativa. Comecei a sentir melhoras a partir da primeira sessão de acupuntura”, afirmou.
Crianças também são têm vez – O menino Pedro Lima, de 7 anos, é uma das crianças que participam da arte com terapia, prática que permite às crianças de 5 a 12 anos de idade expressarem seus sentimentos e possíveis angústias por meio da arte, segundo a instrutora Geórgia Cardoso. “Fazemos atividades que trabalham a identificação pessoal e a autoafirmação”, disse ela.
Pedro não perde a atividade e disse gostar muito de trabalhar com desenhos, como ele chama a arte plástica. Outra criança participante é Vinícius. Ele também escolheu as artes plásticas, por se identificar com a prática. “É muito bom para ele, pois o mantém ocupado e com disciplina”, contou Ana Cássia, mãe do garoto.
Capacitação – Os profissionais da rede de saúde municipal receberão capacitação em cinco práticas terapêuticas para multiplicar o conhecimento, a partir do próximo dia 18. Conforme Andréa Carrer, estão disponíveis 105 vagas nos cursos de automassagem; escola da coluna (que trabalha a postura, inclusive na realização dos afazeres domésticos ou no escritório); shampalla (massagem indiana para bebês); auricoloterapia (tratamento com utilização de agulhas na orelha); e reiki (terapia com utilização das mãos).
Equipe – Conforme Andréa Carrer, a equipe de trabalho dos Centros é qualificada e já fazia parte dos quadros da saúde municipal, embora não desempenhasse necessariamente a especialidade disponível. “Por exemplo, temos enfermeiras que são massoterapeutas, mas que não desempenhavam essa função. Os profissionais do Centro são formados nas melhores escolas da Paraíba, do Brasil e até do exterior. Por exemplo, tem um terapeuta qualificado na Índia”, afirmou a diretora geral do Equilíbrio do Ser.
Uma das novidades do Centro é a instalação, em 2013, de um laboratório para fabricação de medicamentos homeopáticos, florais e à base de plantas medicinais para os usuários da rede municipal de saúde. “Estes medicamentos não são baratos, então, o objetivo é produzi-los e distribuí-los sob prescrição médica. Se damos o tratamento, também devemos dar a medicação”, frisou Andréa.
Atendimento gratuito – O acesso aos Cpics pode ser feito tanto por iniciativa própria como por encaminhamento das Unidades de Saúde da Família (USFs). Para o cadastro no serviço, solicita-se a carteira de identidade e o cartão do Sistema Único de Saúde (SUS). O cidadão passa por uma escuta individual, realizada por um terapeuta, que vai indicar uma terapia a ser feita.
Segundo Francisco Douglas, com a escuta e avaliação do paciente, há um fluxo do usuário entre as terapias individuais, pois os terapeutas podem direcionar uma pessoa para ser cuidada em diferentes abordagens, garantindo a visão integral do indivíduo. A maior parte dos atendimentos é por demanda espontânea.
Política em saúde alternativa – Em 2006, o Ministério da Saúde implementou a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares, pela Portaria nº. 971 de 3 de maio. Em João Pessoa, a Lei municipal de nº. 1.665, de julho de 2008, implementou essa proposta na rede de saúde.
Funcionamento:
Núcleo do Parque Arruda Câmara – de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h e das 14h às 17h. Contato: 3218-9841.
Centro do Valentina – de segunda a quinta-feira, das 8h às 12h e das 14h às 17h. Na sexta-feira o atendimento é só pela manhã. À tarde, há reuniões técnicas. Contato: 3218-5877
Centro dos Bancários – De segunda a quinta-feira, das 8h às 21h. Na sexta-feira são realizadas reuniões técnicas pela manhã e, à tarde, o atendimento é voltado para os profissionais da rede municipal de saúde. Às 18h, o atendimento ao público é retomado. Contato: 3214-2922
Práticas complementares oferecidas no Equilíbrio do Ser: Medicina tradicional chinesa
Acupuntura
Auriculoterapia
Ventosa
Moxabustão
Tui Ná
Tai Chi Chuan
Homeopatia
Fitoterapia
Terapia Floral
Reiki
Quiropraxia
Cromoterapia
Argiloterapia
Gestalt Terapia
Massoterapia
Terapia Ayurvédica
Biodança e danças Circulares
Meditação
Yoga
Arteterapia
Secom-JP