sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Reflexologia alivia efeitos colaterais de tratamentos

De alternativa para principal
Um tipo de massagem dos pés praticada desde o tempo dos Faraós do Egito Antigo teve seus resultados comprovados no auxílio a pacientes de câncer.
Este é o primeiro estudo científico de larga escala, totalmente aleatório, sobre a reflexologia, um tratamento até agora enquadrado na lista das terapias alternativas.
"[A reflexologia] sempre foi considerada uma massagem relaxante, mas até agora seus benefícios não haviam sido documentados de forma rigorosa," afirmou Gwen Wyatt, da Universidade do Estado de Michigan, que fez o estudo juntamente com colegas de outras três universidades norte-americanas.
"Este é o primeiro passo para passarmos essa terapia complementar dos cuidados acessórios para os cuidados principais," completou.
Reflexologia
A reflexologia é baseada na ideia de que a estimulação de pontos específicos dos pés pode melhorar o funcionamento dos órgãos, glândulas e outras partes do corpo correspondentes a cada ponto.
O estudo incluiu 385 mulheres recebendo quimioterapia ou terapia hormonal para câncer de mama em estágio avançado, já com sinais de metástase.
As mulheres foram divididas em três grupos: um recebeu o tratamento de reflexologia, outro grupo recebeu uma massagem comum para os pés, para servir como controle, e o terceiro grupo recebeu apenas o tratamento médico padrão.
Respiração curta
As checagens dos sintomas e do estado de bem-estar das pacientes foram feitas após cinco semanas, e novamente após 11 semanas.
O grupo que recebeu o tratamento de reflexologia relatou menos diminuição no fôlego, ou respiração curta, um sintoma comum entre as mulheres em tratamento contra câncer de mama.
Talvez como resultado da melhor respiração, elas também melhores condições na execução das tarefas diárias, como subir escadas, vestir-se ou ir às compras.
Além do emocional
Os resultados surpreenderam as pesquisadoras, que esperavam melhoras mais significativas nos aspectos emocionais.
"Nós não observamos as alterações que esperávamos nos sintomas emocionais, como ansiedade ou depressão. As mudanças mais significativas foram documentadas no campo fisiológico," disse a Dra. Wyatt.
Outro benefício não esperado - uma redução na fadiga - só foi documentado no grupo que recebeu a massagem nos pés, o que aponta para um tratamento ainda mais simples, que dispensa a atuação de um reflexologista credenciado.
A pesquisadora afirmou que o grupo da reflexologia também não relatou mudanças esperadas em sintomas como dor e náusea, já documentados por outros estudos. Segundo ela, a razão para isso pode ser a eficácia dos medicamentos utilizados no tratamento do câncer, que mascaram os benefícios da reflexologia.

Como descartar pensamentos ruins e guardar pensamentos bons

Só imaginar que está jogando os pensamentos fora ou os está guardando não funciona. Você precisa realmente escrevê-lo e jogá-los fora ou guardá-los bem guardados
Manipulando pensamentos
Se você quiser realmente se livrar de pensamentos negativos e indesejáveis, simplesmente rasgue-os e jogue-os no lixo.
Pesquisadores descobriram que, quando as pessoas escrevem seus pensamentos em um pedaço de papel e, em seguida, jogam o papel fora, elas mentalmente descartam também os pensamentos.
Por outro lado, as pessoas são mais propensas a usar seus pensamentos ao fazer julgamentos posteriores se primeiro elas escrevem o pensamento em um pedaço de papel e colocam o papel no bolso para protegê-lo.
"De certa forma pode parecer bobagem, mas nós descobrimos que realmente funciona. Fisicamente jogando fora ou protegendo seus pensamentos, você influencia o modo como acaba usando esses pensamentos. Simplesmente imaginar essas ações não tem efeito," disse o Dr. Richard Petty, da Universidade do Estado de Ohio (EUA), coautor do estudo.
Pensamentos materializados
Como você rotula seus pensamentos - como lixo ou como merecedor de proteção - parece fazer a diferença na forma como você usa esses pensamentos.
Os resultados do novo estudo sugerem que as pessoas tratam seus pensamentos como algo material, como objetos concretos.
Segundo Petty, isso é evidente na linguagem que usamos.
"Nós falamos sobre os nossos pensamentos como se pudéssemos visualizá-los. Nós alimentamos nossos pensamentos. Tomamos posição sobre as questões, apoiamos este ou aquele caminho. Isso tudo torna nossos pensamentos mais reais para nós," afirma.
Importância da ação
Os participantes que jogaram os pensamentos no lixo - escrevendo-os e arrastando-os para a lixeira - fizeram menos uso dos pensamentos negativos do que aqueles que salvaram os pensamentos em um arquivo.
Em outro experimento, os participantes foram instruídos a simplesmente imaginar que estavam arrastando seus pensamentos negativos para a lixeira, ou que os estavam salvando-os em um arquivo no disco.
Mas isso não teve efeito sobre seus julgamentos posteriores.
"Quanto mais convencida a pessoa está de que os pensamentos realmente foram embora, melhor," disse Petty. "Só imaginar que você os jogou fora não funciona."
Os resultados foram publicados online na revista Psychological Science