sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

O papel do microbioma na desnutrição

As bactérias intestinais erradas podem causar desnutrição.
Às vezes o que parece extremamente óbvio não procede. A desnutrição, por exemplo, é sabidamente causada por escassez alimentar. Ainda assim, como aponta um estudo publicado no periódico Science da semana passada por Jeffrey Gordon e sua equipe da Universidade Washington, em St Louis, esta nem sempre é uma explicação completa.
O time de Gordon vem observando gêmeos no Malaui. Há dois anos o grupo anunciou que apesar de ambos os membros de tais pares se alimentarem com a mesma dieta, um dos gêmeos frequentemente permanece saudável enquanto o outro sofre de desnutrição. Tal discordância é associada a diferenças nas bactérias intestinais de cada indivíduo. O estudo mais recente da equipe explora a natureza dessa descoberta.
As bactérias erradas
A resposta parece se encontrar parcialmente no papel que as bactérias desempenham no fornecimento de nutrientes ao corpo e parcialmente na inibição da rota bioquímica conhecida como ciclo de Krebs, que se encontra no centro do metabolismo de todos os organismos. O ciclo de Krebs transfere a energia do açúcar para uma molécula chamada ATP, a moeda de troca de energia do corpo. Interferências nessas moléculas fazem com que todo o metabolismo desacelere. E, quando uma criança tem as bactérias erradas em seu intestino, é isso que parece acontecer.
Gordon e sua equipe acompanharam 317 pares de gêmeos do Malaui pelos três primeiros anos de suas vidas. Na metade desses pares, ambos os gêmeos sobreviveram. Em 7%, ambos ficaram desnutridos. No restante, no entanto, um gêmeo parecia estar bem nutrido enquanto o outro tinha sintomas de desnutrição.
O estudo acrescenta uma peça à nascente ciência da medicina microbiômica, em que a vida dos passageiros bacteriais portados pelas pessoas são tratadas com a devida consideração para evitar que eles se virem contra seus hospedeiros e os prejudiquem.
* Com informações da The Economist.
** Publicado originalmente no site Opinião e Notícia.

Nenhum comentário: