quinta-feira, 25 de abril de 2013

Meditação e Saúde na Terapia Integração Craniossacral

Amano Firdauz
Meditação e Terapia Integração Craniossacral andam lado a lado e o terapeuta precisa sintonizar com sua natureza meditativa para que a sessão seja verdadeiramente efetiva.
O estado interno do terapeuta é vital para dar suporte ao campo que é criado na sessão entre o terapeuta e o cliente. A orientação interna do terapeuta vai criar como um efeito de farol para guiar o sistema do cliente em direção à saúde.
O que é realmente meditação?
Existem muitas práticas que apontam para a meditação, porém a meditação é nossa luminosa natureza consciente.
No Budismo, é usado o termo shunyata, ou vazio, para descrever aquela natureza.
A palavra shunyata tem um significado profundo: shunya, o vazio, significa espaçoso, vasto, quieto, enquanto ta significa luminosidade consciente.
Esta luminosidade quieta e consciente é nossa natureza e é a própria saúde; porém, podemos não perceber esta verdade se nossa visão estiver encoberta por condicionamentos limitantes.
É como o sol encoberto por nuvens: o sol está sempre lá, mas na sombra. Às vezes as nuvens são poucas ou não há nuvens, e o sol fica bem visível; outras vezes, as nuvens são espessas e o sol quase não é visivel.
Então, através dos tempos, mestres benevolentes têm nos ajudado a nos orientarmos para o sol através da realização, presença, práticas ou sadhana que eles transmitiram. Estas sadhanas são chamadas meditação, mas na realidade são indicadores para a meditação que é nossa natureza luminosa e desobstruída.
Lembro-me da primeira vez que encontrei Poonjaji e havia recentemente terminado um longo retiro budista de meditação. Poonjaji disse-me que eu havia praticado bem, mas tinha feito 3 erros que ele queria esclarecer: “desista do meditador, desista de qualquer coisa a ser ganha e desista do tempo”, e então ele me perguntou: “agora, como você está?”
Será que como terapeutas craniossacrais podemos desistir do terapeuta, desistir de qualquer ganho, desistir do tempo, mesmo que não seja o tempo todo, mas por alguns momentos, e deixar a Respiração Primária e o Sopro da Vida tomarem conta do nosso trabalho?
Na minha própria experiência, às vezes consigo, e às vezes os condicionamentos de pensamentos e emoções parecem estar impedindo o caminho. E quanto mais e mais eu reconheço o sol, nossa natureza búdica, o ordinário e o miraculoso dissolvem-se em um.
O grande Mestre Zen Thich Naht Hahn disse: “Nós procuramos pelo milagre de andar sobre as águas e negligenciamos o milagre de andar sobre a terra”.
Como terapeutas, em nosso trabalho temos o privilégio de ver o milagroso e o ordinário se fundirem sempre.
Quando olhamos para o milagre da criação do embrião, as forças criadoras e as forças da matriz original da saúde, e percebemos que somos moldados por estas mesmas forças, que desta maneira são ordinárias.
No Budismo Tibetano a meditação apresenta duas ramificações, são como as asas de um pássaro voando para a Iluminação: uma asa é a asa do vazio ou sabedoria e a outra, a asa do coração suave e gentil. As duas asas são necessárias para voar.
Lembro-me que durante um retiro de meditação com um de meus mestres, Ven Lati Rimpoche, estava tendo dificuldades e então fui buscar seus conselhos. Ele disse-me muito amavelmente que eu desse espaço para o imperfeito Firdauz na minha meditação. As lágrimas caíram e meu coração foi profundamente tocado e à medida em que eu me dava mais espaço, as meditações se aprofundaram naturalmente e me senti preenchido por amor e gratidão.
Uma das meditações para o coração é a meditação do perdão. Esta meditação começa com o perdão por nossos chamados defeitos, depois o perdão pela nossa ignorância e pela ignorância dos outros. Desta maneira abrimos caminho para a quietude do nosso coração brilhar, porque de outra maneira as nuvens da raiva, ressentimento, vingança e mágoas podem estar no meio do caminho.
Finalmente, a saúde e meditação são nossa natureza verdadeira, nosso estado natural e uma vez percebidos e realizados nada mais precisa ser feito.
Serviço: Amano Firdauz, é Terapeuta Craniossacral e professor de Integração Craniossacral Aquática. Para saber mais sobre Craniossacral
www.craniossacral.com.br

Nenhum comentário: