quarta-feira, 10 de abril de 2013

Por que envelhecemos? Por que adoecemos?

A Medicina teve avanços impressionantes, relativamente ao tratamento de doenças infeciosas, vacinas, substituição de órgãos, etc…
No entanto, o que se passa quando a causa da doença não é um vírus, bactéria, fungo ou parasita?
O médico que olhar para além dos antibióticos e procurar o equilíbrio metabólico, terá com certeza um maior sucesso na recuperação de seus pacientes.
O corpo humano é uma máquina incrivelmente preparada para a sobrevivência, que requer apenas alguma ajuda.
Infelizmente, o corpo humano não pode ser mantido como se de um carro se tratasse, não podemos apenas tentar substituir peças, é necessário entender a origem da doença, para podermos tomar medidas para alcançar uma melhor qualidade de vida.
As doenças principais não se originam nas células, mas sim em torno delas, no espaço intersticial ou intercelular.
Assim, como as pessoas respiram e se nutrem com os alimentos que comem e depois eliminam do corpo, as células fazem o mesmo através do sistema vascular arterial, de onde recebem o oxigénio, os açúcares, gorduras, proteínas e sais minerais, e onde eliminam os resíduos da sua metabolização.
Recebem oxigénio e eliminam dióxido de carbono, recebem gorduras e eliminam colesterol, recebem proteínas e eliminam ácido úrico, que como podemos ver são todos ácidos.
A corrente sanguínea, recolhe todos os resíduos metabólicos do sistema celular e envia-os para os filtros que tem o nosso corpo:
Os rins, o fígado e os pulmões para a sua eliminação.
Enquanto o nosso corpo é capaz de eliminar o desperdício, tudo corre bem, no entanto, quando produção excede a capacidade dos nossos filtros, eles ficam obstruídos, bloqueando a saída de CO2, ácido úrico colesterol, ácido úrico e muitos outros ácidos.
Mas, o que podemos fazer?
1- Alcalinizar o nosso corpo, ajudando-o a neutralizar os ácidos residuais metabólicos.
2- Limpar os filtros.
3 - Alterar o nosso estilo de vida, reduzindo a produção de resíduos ácidos metabólicos.
Sabemos da química básica que um BASE NEUTRALIZA um ÁCIDO, logo, para alcalinizar nosso corpo, é preciso fornecer bicarbonato para neutralizar a acidez no sangue, sendo que os bicarbonatos são o tampão alcalino do nosso corpo.
O ser humano à volta dos 45 anos de idade, começa a perder bicarbonatos, ou seja, a sua capacidade para eliminar los resíduos metabólicos do sistema celular.
Quando chegamos aos 90 anos, perdemos 18% de bicarbonatos no nosso sangue.
A redução de bicarbonatos limita a capacidade que o nosso sangue tem de eliminar o desperdício ácido produzido pelas células.
Inteligentemente, o nosso corpo passa a converter os líquidos ácidos que não foram neutralizados, em ácido sólido, como por exemplo: colesterol, ácido gordo, ácido úrico, fosfatos, sulfatos, uratos, pedras nos rins, etc...
O processo de envelhecimento trata-se apenas do acumular de resíduos no nosso organismo.
A dieta e o exercício físico ajudam o corpo a eliminar os ácidos, no entanto, devemos recordar que nenhum exercício vai fornecer bicarbonatos ao nosso sangue…

Óleos essenciais de plantas brasileiras combatem bactérias

http://www.diariodasaude.com.br/news.php?article=oleos-essenciais-plantas-brasileiras-combatem-bacterias&id=8725&nl=nlds
Com informações da Faperj
Óleos essenciais
Pesquisadores da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) estão identificando plantas da flora brasileira capazes de atuar como antibióticos naturais.
O químico Humberto Ribeiro Bizzo está se concentrando nas propriedades terapêuticas dos chamados óleos essenciais e do extrato de plantas que se mostraram capazes de combater diversas bactérias.
Com base na literatura científica e no emprego que muitas delas têm na medicina popular, a equipe selecionou as seguintes plantas: o breu branco (Protium spp.), árvore que produz uma espécie de resina; a sacaca (Croton cajucara), de origem amazônica; o poejo (Hesperozyges mirtoides) e a alfavaca (Ocimum selloi).
A ideia é aproveitar os mecanismos de defesa das plantas, seja contra outras espécies vegetais ou contra doenças, que se tornam o ponto de partida para o desenvolvimento de novos medicamentos.
"Na natureza, esses mecanismos muitas vezes são substâncias produzidas pelas plantas para se defender contra fungos e bactérias que as atacam", exemplifica Bizzo.
Medicamento para candidíase
Os resultados mostram que todas as plantas selecionadas apresentam atividade antimicrobiana contra a bactéria Staphylococcus aureus, conhecida como uma das principais responsáveis pelas infecções hospitalares, e contra o fungo Candida albicans, causador da candidíase.
"Essa atividade biológica tem sido testada a partir dos óleos essenciais de cada uma das plantas. Em seguida, verificamos a eficácia específica de cada um deles contra cada bactéria ou fungo em análises de crescimento bacteriano in vitro. Durante o procedimento, também avaliamos a quantidade necessária de extrato para a inibição do desenvolvimento da bactéria, ou seja, a concentração inibitória mínima," conta o pesquisador.
O óleo essencial de sacaca, por exemplo, mostrou-se ativo contra Staphylococcus aureus do tipo resistente ao antibiótico meticilina.
"Isso não quer dizer que este óleo seja mais ou menos eficaz do que um determinado antibiótico, já que não efetuamos testes especificamente sobre esse aspecto. Mas ele apresenta ação antimicrobiana para uma cepa de bactérias contra a qual vários antibióticos não produzem efeito," esclarece o pesquisador.
A sacaca também se mostrou a mais eficaz entre as plantas medicinais pesquisadas contra a Candida albicans.
Animados com esses resultados, a equipe espera começar a desenvolver um medicamento tópico com base nessa planta, para o tratamento da candidíase.