segunda-feira, 22 de abril de 2013

Relaxamento como aprendizado para a espiritualidade

Postado por Mauricio Salem
Como compreender o espírito durante o nosso dia a dia? Será que ele esta fora ou dentro de nós? Em que lugar ele esta? Qual seu formato? Como fazer para encontrá-lo? Estas são perguntas comuns que a maioria de nós teve quando criança, quando iniciamos o questionamento de quem ou o que somos, em busca de uma identidade.
Faltam respostas coerentes na busca do intangível através do tangível, talvez a resposta seja mais simples que se imagina.Uma das formas para encontrar sua alma esta no mergulho no sono profundo , aquele sono que renova e nos reconecta com a essência de nos mesmos.
Apartir da disciplina da meditação encontramos uma quietude mental, através da qual adquirimos uma capacidade de testemunhar nossos pensamentos sem intervir, julgar ou reagir a eles. Ao compreendermos este intrínseco plano mental, compreendemos como se processa o primeiro pensamento que alimenta e da forma ao intelecto e a nossa auto imagem como seres conscientes. Após esta desconstrução e possível compreender o vazio e o silencio mental como uma manifestação da plenitude e do divino que habita todo o ser vivo. Precisamos apenas do angulo certo para poder compreender a realidade de que somos apenas células no corpo de um sercósmico chamado Deus.
Mas o esta reflexão tem a ver com nossa atual sociedade e os conflitos nela existentes? Vivemos e contribuímos para uma sociedade repleta de estímulos e informações porem carente de um tempo contemplativo em nossa rotina. Enfim não acessamos a nossa espiritualidade no dia a dia.
O resultado todos já sabem. Todos os dias milhares dentre todos os 6 bilhões de seres humanos do planeta entraram em sofrimento por não saber resgatar esta conexão com o divino. Mas como recuperar-se desta perda ilusória, que nem física é mas repercuti em nossos corpos ? Vamos refletir sobre isto….
Nossa atual sociedade urbana
Nos dias de hoje os excessos de estímulos geram em nossos corpos, mentes e intelectos um constante estado de alerta e turbulência. O individuo exposto ao ambiente urbano e virtual saturado de informações, age e reage com muita intensidade e freqüência, adquirindo dificuldade em atingir o estado de repouso, tanto físico quanto mental.
O mente e intelecto sobrecarregados de atividade, buscam organizar as imagens e informações coletadas pelos órgãos dos sentidos, visão, audição, olfato, tato, paladar. Gerando pensamentos e mais pensamentos que alimentam os desejos e estados de ansiedade, estes por sua vez deflagram uma busca no plano físico por ações de forma a obter os objetos do desejo, muitas destas ações são inúteis e não necessárias, mas por ilusão geram ocupação e um prazer ao sistema ego, intelecto e corpo.
Então o corpo como agente da ação se expõem a uma exigência física desgastante e desnecessária no intuito de satisfazer as ilusões e falsas necessidades da mente agitada e turbulenta, em resumo perdemos tempo. Um tempo preciso que recebemos ao nascer e ficamos como um cachorro correndo em círculos atrás do próprio rabo.
Qual o impacto desta descoberta na vida e no dia a dia? Com quebrar este padrão?
Um conjunto de praticas de relaxamento e concentração ,corretamente ensinados, na infância tornam-se um aliado para o futuro pré adolescente . Afinal nosso aparelho respiratório dita o ritmo do nosso metabolismo. Tanto para participar de uma atividade quanto para o repouso. E saber compreender este mecanismo e a chave para a estabilidade emocional necessária ao mundo adulto.
Um adolescente necessita em torno de mais de nove horas de sono por dia, sendo este sono parte do processo natural de amadurecimento. As intensas mudanças nas taxas hormonais atrasam em algumas horas a produção da melatonina, hormônio regulador do sono. A conseqüência disto é que as “oito horas” normalmente dormidas são biologicamente insuficientes, daí surge o mau humor, irritação e baixo rendimento escolar assim como déficit de atenção entre outras coisas. Influenciando na forma do pensar e agir do indivíduo nesta fase de desenvolvimento.
Analisando tecnicamente… Os níveis de secreção de gonadotrofinas (GnRH) atingem picos elevados na puberdade especialmente durante o sono. Durante a infância, a liberação destes hormônios, que são gerados no hipotálamo e distribuídos via o sistema vascular porta-hipofisário até a parte anterior da glândula hipófise, são suprimidas até o início da puberdade. Durante o sono os hormônios luteinizantes (Lh) são liberados em pulsos de variações entre 60 a 90 minutos. Estes pulsos ocorrem também durante o dia, porém na puberdade apresentam diferenças. Estas vão diminuindo na medida em que saímos desta fase e entramos na fase adulta onde ocorrem a estabilização no ciclo circadiano (dia e noite) .
Então ter um sono tranqüilo ao longo da fase infanto juvenil é importante para que este pulso não ocorra em excessos além do devido. Com a pratica do Hatha Yoga, meditação, exercícios de relaxamento consciente, técnicas de yoganidrá e de aprendizado durante o sono, educamos a nossa consciência corporal à capacidade de compreender com mais eficácia às mudanças e à adaptação.
Nossas crianças e jovens oscilam entre a atividade intensa e o ato de dormir imediatamente ou a luta contra o sono. O hábito de relaxar não é incentivado e com isto as fases que poderiam gerar um sono mais tranqüilo são suprimidas. Os hábitos decorrentes disto têm reflexo direto no comportamento familiar e social. O imediatismo de respostas e reações, priva a mente de sua capacidade de acomodação e resiliência frente aos acontecimentos.
Compreendendo esta realidade entendemos assim a importância de introduzir o ensino do relaxamento para as turmas de crianças e adolescentes , moradoras dos centros urbanos. Um verdadeiro desafio a atual estrutura educacional em entender que tudo tem um tempo de acontecimento. E ao ensinar a criança o habito de relaxar contribui assim para atenuar a ansiedade do futuro adolescente. De acordo com Darwin evoluir é saber se adaptar.
Ao compreendermos nossa capacidade diária para distanciarmos, mesmo que temporariamente, de nossos ciclos de pensamentos e desejos. “Re-startamos” nosso sistema corpo-intelecto-pensamento e obtemos o tempo de processamento necessário para o desenvolvimento de uma mente contemplativa, objetiva e inteligente emocionalmente.
Patanjali coloca:
Sutra do Yoga de Patanjali, em Sânscrito
“O Sono (Nidra) é um meio de expressão sustentado pela experiência de não existir.”
Yogasutras I-10
O Desligar-se do ego “sofrido”, “desperto” e “acordado” para mergulhar no sono profundo. Ensina ao nosso consciente como reencontrar-se consigo mesmo, com sua real natureza, com o seu eu maior. E aprender a despertar e espreguiçar nos recobra esta experiência, libertando-nos dos primeiros pensamentos ilusórios de dor e sofrimento. Isto não significa que você ira fugir de suas obrigações , apenas ira fazê-las com uma mente mais serena calma e objetiva.
* Mauricio é um dos editores do site www.yogaeduc.com.br, onde este artigo foi publicado originalmente, em 20 de agosto de 2008. Se desejar mais informações envie um e-mail para contato@yogaeduc.com.br

Conheça a aplicação da medicina biomolecular

http://www.stancka.com.br/artigos_e_materias.php?idA=116
por Alex Botsaris
 Medicina ortomolecular foi um termo proposto pelo falecido químico e prêmio Nobel da medicina Linus Pauling. Ele criou o termo "ortomolecular" juntando o radical orto (correto em grego) com molecular - significando as moléculas - ou seja, uma medicina que fizessem as moléculas do organismo funcionarem corretamente. Na visão de Pauling seria necessário entender o mecanismo molecular envolvido nas doenças, para então propor tratamentos que fossem realmente eficientes. O eminente químico ainda estudou a fundo as ações da vitamina C nos animais e descobriu seu potencial como antioxidante, sendo um entusiasta do uso de megadoses dessa vitamina como forma de prevenir o envelhecimento.
Apesar de algumas das teorias de Pauling, na área da medicina, não terem se confirmado, várias das bases propostas por ele se revelaram tendências fortes para o futuro e vem se desenvolvendo de forma dinâmica atualmente. São elas que funcionam como base para as correntes da medicina ortomolecular atuais. Uma delas é a biologia molecular - uma parte da biologia que não pára de crescer - e que explica em termos de atividades e características químicas das moléculas, vários dos fenômenos biológicos descritos na medicina. Isso motivou a proposta de mudar o nome dessa corrente médica para medicina biomolecular. Hoje em dia, esse é o nome mais usado pela comunidade médico-científica, entretanto na área popular "ortomolecular" ainda é o mais usado popularmente.
Outra teoria lançada por Pauling, que vem se mostrando cada vez mais importante, na gênese molecular de diversas doenças, é a teoria do estresse oxidativo. Em poucas palavras, a fonte da energia corporal, que é utilizada para mover todo metabolismo do corpo vem da queima de moléculas de glicose e gordura, usando os átomos de oxigênio retirados do ar. Essa combinação com oxigênio, chamada de oxidação, eventualmente, pode formar compostos chamados de "radicais livres", que tem o potencial de causar danos a moléculas ou processos orgânicos. Esse dano causado pelos radicais livres, é que a ciência médica chama de "estresse oxidativo". Pauling mostrou que a vitamina C possuia uma ação antioxidante, por isso protegia o corpo dessas moléculas instáveis (os radicais livres). As pesquisas atuais mostraram que além da vitamina C, outras vitaminas, enzimas, além de uma série de outras substâncias, exercem atividade antioxidante, e que é a eficiência desse sistema como um todo, que protege o organismo do danos causados pelos radicais livres.
"Uma das propostas da medicina ortomolecular, que é muito interessante e inovadora, é a de utilizar alimentos, às vezes em quantidades específicas, visando benefícios de saúde ou prevenção de doenças"A importância do sistema antioxidante do organismo tem se mostrado tão grande, e está sendo tão valorizada pelos médicos ortomoleculares, que alguns colegas têm proposto de chamar o novo conhecimento de "oxidologia". Contudo, esse termo além de não englobar todos os processos da biologia molecular, não é consensual entre todos os médicos. Mesmo assim, muitos trabalhos científicos e mesmo alguns médicos vão usar esse termo para qualificar o sua área de conhecimento.
Uma das propostas da medicina ortomolecular, que é muito interessante e inovadora, é a de utilizar alimentos, às vezes em quantidades específicas, visando benefícios de saúde ou prevenção de doenças. Além dos vários antioxidantes que são empregados para reduzir o estresse oxidativo, aminoácidos vitaminas e lipídeos essenciais têm se mostrado eficientes em contribuir com o desempenho do cérebro, melhorar o humor e aumentar e eficiência do sistema imunológico. Todos esses benefícios tem sido agregados sem problemas como efeitos adversos, dependência e tolerância, que costumam ocorrer com as drogas clássicas da industria farmacêutica.
A busca de tratamentos menos invasivos e mais amigáveis tem levado muitos médicos a estudar essa nova escola e também estimula pacientes a buscar tratamentos ortomolecular. Pelas suas características, esses tratamentos exigem prescrições individualizadas, que são aviadas por farmácias de manipulação. Daí vieram alguns abusos e deslizes éticos, que apesar de serem feitos por uma minoria, acabaram se tornando públicos e serviram de munição para interesses comerciais feridos com a nova tendência. Certamente há uma influência do interesse comercial em desqualificar a medicina ortomolecular, amplificando o problema. Afinal, as farmácias de manipulação têm abocanhado mais de 15% do mercado farmacêutico no Brasil.
Considerando o contexto normativo, o Conselho Federal de Medicina e a Associação Médica Brasileira, resistem em reconhecer a medicina ortomolecular como especialidade médica e entendem que ela é apenas uma estratégia terapêutica. Isso também se transformou numa fonte de conflitos, já que pelas normas éticas, o médico não pode divulgar uma especialidade não reconhecida pelo CFM. Na minha visão de futuro, movimentos como o da medicna ortomolecular são legítimos e consistentes, e será necessário encontrar um espaço correto para sua normatização. Enquanto isso não acontece, todos saem perdendo, principalmente os pacientes.