quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Reflexões sobre a imunidade

A imunidade passa a ser um subproduto da boa funcionalidade e circulação dos diversos tipos de energias em nosso organismo, desde as mais sutis e rarefeitas até as mais substanciais (Ciaran Griffin / Photos.com)
Desde a antiguidade o homem procurou compreender os fatores responsáveis pela boa saúde, longevidade e qualidade de vida. Atualmente o homem possui certo conhecimento a respeito desse tema e busca garantir isso mediante hábitos de vida saudáveis como uma dieta balanceada e exercícios físicos para preservar a sua saúde e funcionalidade. Mas haveria algo a mais para compreendermos? A antiga medicina chinesa traz uma série de considerações sobre esse tema.
Segundo o conhecimento tradicional o corpo humano possui vários tipos de energias, fluídos, tecidos, órgãos formando um arranjo harmônico permitindo ao ser humano completar o seu ciclo vital. Qualquer componente em falta, excesso, bloqueio, ou circulando indevidamente prejudicaria a saúde, reduzindo o tempo de vida e gerando prejuízos ao organismo.
Assim a imunidade passa a ser um subproduto da boa funcionalidade e circulação dos diversos tipos de energias em nosso organismo, desde as mais sutis e rarefeitas até as mais substanciais.
Existem duas energias primordiais extremamente importantes para o nosso desenvolvimento saudável, uma delas relaciona-se com nossa linhagem, nossa herança genética conhecida como “Jing” (Essência). Essa essência sofrerá as transformações para desenvolver o corpo físico por meio de uma energia conhecida como Yuan Qi (energia original), uma energia catalisadora de todos os nossos processos orgânicos que irá agir na essência liberando “sopros” (energias específicas) que irão dar impulso a todas as funções orgânicas. Essa energia relaciona-se com nossa “origem”, um estado que nos remete a um estado anterior à forma (ao nascimento) e que durante a vida do ser humano o conecta com suas disposições internas inatas (celestiais), bem como carrega também aspectos cármicos fazendo com que os homens ao nascer já sejam distintos entre si.
No livro “Zhuan Falun”, uma obra sobre o cultivo do corpo e da mente, encontramos a descrição de que o nosso corpo possui um campo e nesse campo se concentram dois tipos de energias conhecidas como “Virtude” e “Carma”.
Quanto mais virtude uma pessoa tem, menores serão as chances de adoecer. Quanto mais carma uma pessoa acumula, maiores as chances de uma vida com muitas enfermidades e possivelmente uma morte prematura. Essas substâncias não se acumulam durante uma única vida, vão sendo transmitidas e acumuladas desde tempos remotos.
Esse conceito embora não seja diretamente difundido na medicina chinesa moderna, faz parte do conhecimento tradicional das três principais linhas filosófico-religiosas do oriente (Budismo, Taoísmo e Confucionismo) que foram as principais correntes que influenciaram o conhecimento holístico da medicina chinesa. Esse entendimento relaciona-se com o que a medicina chinesa expõe sobre a nossa Essência (Jing) e nossa energia Original (Yuan). Basicamente nossa herança genética revela quanta virtude nossos ancestrais acumularam e nossa energia original nos conecta ao plano sutil como um guia de nossas disposições inatas. Quando somos guiados pelas nossas disposições íntimas o resultado é uma vida de realização e saúde, do contrário o corpo perde o apoio do princípio sutil que o organiza, gerando assim fatores de adoecimento.
Nos tempos antigos as pessoas viviam mais de 100 anos, porém depois de alguns séculos estavam decrépitas à meia idade. Quando o lendário Imperador Amarelo perguntou ao seu médico imperial sobre essa questão, ele respondeu que era devido ao fato de que o homem tinha deixado de viver de acordo com o Tao e não mais se adaptava às mudanças da natureza. Afastou-se da lei do céu, das suas virtudes, não moderava mais os desejos e tinha desenvolvido vícios, esqueceu-se de como adaptar-se as mudanças sazonais e aos hábitos de vida que devemos incorporar em cada uma delas.
Hoje vemos casos de muitas celebridades e pessoas que não faltam recursos materiais sofrerem de doenças graves mesmo com uma alimentação equilibrada, praticando exercícios físicos regularmente e ainda contando com o suporte da medicina moderna, porém as doenças continuam se manifestando sem respeitar idade, crença, status social e condição financeira.
A boa saúde e imunidade enraízam-se sobre a tranquilidade de espírito, no viver de acordo com a lei natural, cultivando as virtudes, moderando desejos preservando assim a essência e acumulando virtude para as próximas gerações. A escola Buda nos ensina três princípios fundamentais para alcançarmos a paz de espírito e saúde física, são eles: Verdade, Benevolência e Tolerância. Princípios básicos para desenvolver o altruísmo, a compaixão e o amor ao próximo. Todo o bem que fazemos não beneficia apenas aos demais, seus efeitos retornam em igual intensidade para quem o gera. Se já possuímos bons hábitos alimentares e praticamos atividades físicas regulares já temos a base para uma boa saúde, a outra parte reside em verdadeiramente assimilar e cultivar a virtude.
Isaac Padilha Guimarães Jr. é professor titular de pós-graduação em acupuntura do Instituto Brasileiro de Acupuntura e Moxabustão de Porto Alegre (IBRAMPA)

Acupuntura: saúde e equilíbrio natural

As emoções são responsáveis por 90% das doenças, ou seja, o nervosismo, ansiedade, medo, preocupação
 A Acupuntura é um dos recursos terapêuticos da Medicina Tradicional Chinesa. Esta ciência surgiu na China há mais de 5000 anos e se baseia no estudo da Natureza e da existência de uma energia vital chamada Chi ou Ki. A energia circula pelo nosso corpo através de canais que recebem o nome de Meridianos. Se essa energia fluir naturalmente por esses canais, mantém o bom estado de saúde. Caso alguma condição interna ou externa bloqueie o fluxo natural dessa força vital, surge o desequilíbrio que irá resultar em doenças. As emoções são responsáveis por 90% das doenças, ou seja, o nervosismo, ansiedade, medo, preocupação, tristeza, raiva, mágoa, ressentimento, depressão, quando constantes na nossa vida, são capazes de baixar a energia de defesa que protege nosso organismo das moléstias. Apenas 10% são provenientes de outros fatores, como: meio ambiente, alimentação desregrada, vícios, contaminações por vírus e bactérias, hereditariedade e outros. Em média, o problema demora 6 anos para aparecer, a contar do momento em que um desses estados emocionais se fixou. Esses bloqueios no fluir das energias, podem ser corrigidos através de vários métodos terapêuticos, sendo um deles a Acupuntura, que está se tornando cada vez mais conhecida e utilizada no Brasil. É uma terapia preventiva e curativa, eficiente nos seguintes casos: equilíbrio energético geral, relaxamento, dor na coluna, TPM, bursite, tendinite, torcicolo, sinusite, rinite, bronquite, gastrite, dor nas articulações e joelho, estresse, ansiedade, nervosismo, depressão, dentre outros. O tratamento não tem efeitos colaterais. Após um diagnóstico bem elaborado, em que o paciente responderá a várias perguntas, serão aplicadas finíssimas agulhas em pontos de Acupuntura específicos para cada caso. As agulhas são de origem coreana, chinesa ou japonesa, descartáveis ou em kit individual para maior segurança. Pode também ser associado ao tratamento, dependendo da necessidade, a Eletroacupuntura, na qual se utilizam pequenos eletrodos para estimular as agulhas. As sessões duram em média uma hora e o número destas depende de cada caso. Além da Acupuntura, existem outros tratamentos que utilizam o mesmo princípio, sem o uso de agulhas; são eles: Shiatsu, Do-in, Moxaterapia, Auriculoterapia, Ventosaterapia, dentre outros. A Acupuntura trata o paciente como um todo e não por partes isoladas. Busca a causa do problema, equilibra todo o sistema físico e emocional para que o resultado seja eficiente. Mesmo nos casos em que o organismo está muito debilitado, há uma grande melhora na qualidade de vida do paciente. Devemos, assim, harmonizar nossas emoções, cuidar do corpo e da mente para um viver melhor.