quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Riscos do consumo excessivo de sal

http://www.olharvital.ufrj.br/2006/index.php?id_edicao=203&codigo=

Ana Zahner

É conhecida de todos a noção que o consumo de sal em excesso pode trazer problemas à saúde, tais como hipertensão, cálculos renais e, algumas pesquisas indicam, até mesmo câncer gástrico. Para elucidar a questão, convidamos a professora Valeria Bender Bráulio, do Serviço de Nutrologia do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (HUCFF).
A médica trouxe informações de pesquisas populacionais recentes feitas ao redor do mundo, que indicam a associação entre o alto consumo de sal na dieta e o aumento de doenças cardiovasculares como o Acidente Vascular Cerebral (AVC). Às pessoas que têm histórico de hipertensão, é recomendado o consumo moderado, menor possível, de sódio. Porém, o sal não é o único culpado.
O sobrepeso, a obesidade, a má alimentação, todos são fatores de risco para doenças que, muito comumente, as pessoas associam ao sódio. Valéria ressalta que ele é, sim, uma das causas, mas não a única. “A maior prevenção que podemos fazer destas doenças é a mudança no estilo de vida. É essencial maior consumo do potássio, presente em frutas e verduras, que equilibra a pressão arterial”, explica.
A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda o consumo máximo de 2 gramas de sódio por dia. Essa quantidade equivale a 5 gramas de sal de cozinha, formado por cloreto de sódio. “As instruções que costumamos dar às pacientes é de ainda menos que os 5 gramas por dia, de no máximo 4 gramas. A primeira dica é tirar o saleiro da mesa, para que não haja tentação de salgar a comida”, informa a médica. Os produtos industrializados, inclusive produtos doces, têm grande quantidade de sódio. Assim, alimentos como refrigerantes devem ser evitados.
Os estudos, que fazem associações entre dados estatísticos, são em sua maioria estrangeiros, e trazem dados como o aumento de casos de câncer colorretal e gástrico, de derrames e hipertensão. No Japão, por exemplo, chegou-se à conclusão que o consumo de sódio nos produtos industrializados aumentaria o risco de doenças cardiovasculares, enquanto o uso de sal de cozinha aumentaria o risco de câncer.
A professora ressalta que esses resultados são atualmente inconclusivos, mas que tudo indica que uma alimentação saudável tem a menor quantidade possível de sódio.

Plantas Antioxidantes Açafrão e Alho

* por Dr.José de Felippe Junior
“ Nem tudo que é bom para a saúde precisa ser ruim para o paladar: Viva os temperos “
 O açafrão inibe a peroxidação lipídica  e protege o DNA : efeito anti-tumor
 A Curcuma longa ou açafrão da Índia é muito utilizada como tempero no oriente . O extrato lipofílico desta planta, é o mais conhecido e se chama curcumin, porém, também existe o extrato aquoso.
 Induziu-se a peroxidação lipídica “in vitro”, tratamento de lipossomos com sulfato de ferro e ácido ascórbico e à esse sistema gerador de radicais hidroxila e oxigênio “singlet” acrescentou-se vários agentes antioxidantes : ácido úrico , betacaroteno , alfa tocoferol e curcumin . Na presença de ácido úrico havia 73% de peroxidação lipídica; com o betacaroteno, 50% e com o alfa tocoferol, 43% . Entretanto, na presença de curcumin, havia somente 15% de peroxidação , isto é , essa substância conseguiu inibir 85% da peroxidação lipídica induzida pelo ferro – ácido ascórbico .
O extrato aquoso da Curcuma longa, também possui a capacidade de proteger o DNA da lesão provocada por lipoperóxidos e possui efeito anticlastogênico superior ao BHA e ao manitol .
 Conclui-se que o açafrão da Índia é um poderoso antioxidante, com pelo menos duas substâncias já caracterizadas, uma lipofílica, o curcumin  e outra hidrofílica . Ele também possui efeitos anticlastogênico e antipromotor de neoplasias.
 Shalini VK and Srinivas L: Lipid peroxide induced DNA damage : protection by turmeric ( Curcuma longa ) . Molecular and Cellular Biochemistry 77: 3 – 10 1987.
Alho: inibe a formação de tumores
Há muitos anos se conhece as prioridades medicinais do alho como antisséptico , antitrombótico e redutor dos níveis do colesterol e da glicemia , porém , só recentemente trabalhos experimentais constataram que o alho é capaz de inibir o crescimento de tumores .
Tumores de pele induzidos pelo éster de forbol são inibidos pela aplicação tópica de óleo de alho e o câncer de cólon induzido pela hidrazina é inibido por um tioeter do alho, o sulfito de dialil. Extratos aquosos de alho conseguem inibir o crescimento do hepatoma de Morris.
 Províncias da China onde o consumo médio de alho é de 20 g ao dia , possuem baixo  índice de mortalidade por câncer gástrico ( 3,5/100.000) em contraste com as províncias que consumem pouco alho , onde a mortalidade é muito alta ( 40/100.000).
Recentemente demonstrou-se que extratos de alho inibem os eventos iniciais provocadas por substâncias promotoras de tumor, tanto “in vitro ” como “in vivo’’ , concluindo-se que o alho possui atividade na fase de inicialização dos tumores , provavelmente protegendo o DNA .
Nishiro H. Antitumor – promoting activity of garlic extracts . Oncology 46:277-280, 1989.
Comentário:

É muito curioso o fato de que algumas substâncias usadas para tornar o paladar mais agradável, também possuam a propriedade de proteger molécula tão importante como o DNA. O curcumin inclusive possui efeito sobre a peroxidação lipídica maior que o alfa tocoferol e vale lembrar que o curcumin é muito menos dispendioso que a Vit. E. Talvez esteja na arte culinária a resolução de um dos enigmas da manutenção da saúde.